i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
novata

No DF, terra e fé explicam o fenômeno Roriz

Apesar do despreparo e das gafes nos debates, um entre três eleitores deverão votar na dona de casa Weslian, mulher de Joaquim Roriz, no segundo turno das eleições

  • PorAndré Gonçalves, correspondente
  • 24/10/2010 21:05
Weslian Roriz: primeira eleição e fama nacional aos 67 anos, quando assumiu a candidatura do marido, Joaquim Roriz | Antônio Cruz/ABr
Weslian Roriz: primeira eleição e fama nacional aos 67 anos, quando assumiu a candidatura do marido, Joaquim Roriz| Foto: Antônio Cruz/ABr

Promessa

Candidata quer anistiar multas de trânsito

Partiu de Weslian Roriz uma das propostas mais polêmicas entre todas as apresentadas nas campanhas estaduais de 2010. Se vencer, ela promete anistiar todas as multas de trânsito aplicadas até o dia 30 de setembro. "É um dinheiro que sai do nosso bolso e a gente não vê para onde vai", diz a propaganda da candidata.

A ideia provocou reação imediata na campanha de Agnelo Queiroz (PT), que pediu para a Justiça Eleitoral do Distrito Federal investigar se a proposta não se trata de tentativa de compra de votos. Na quinta-feira passada, o Tribunal Regional Eleitoral negou o pedido. "É uma medida demagógica e que deseduca as pessoas. O que pensam sobre isso os pais de garotos que perderam seus filhos no trânsito?", diz o senador Cristovam Buarque (PDT), aliado dos petistas na capital federal. (AG)

"Santinhos" podem comprometer candidata

A Justiça Eleitoral investiga o uso da máquina pública no governo do Distrito Federal para beneficiar a candidatura de Weslian Roriz (PSC) ao governo local.

O TRE-DF (Tribunal Regional Eleitoral) encontrou indícios da distribuição de santinhos da candidata em um dos postos onde são entregues pão e leite para a população de baixa renda. O desembargador Mário Machado, do TRE, determinou a retirada do material de campanha do local onde houve a distribuição dos santinhos. Relator da ação, ele tomou como base vídeos e fotos encaminhadas à Justiça Eleitoral pela coligação do adversário de Weslian, Agnelo Queiroz (PT).

"As referidas fotografias e o vídeo documentam a existência, no local, da propaganda denunciada, bem como a entrega de material impresso de propaganda da candidata Weslian juntamente com a distribuição gratuita do pão e leite", diz Machado.

O governador do DF, Rogério Rosso (PMDB), declarou apoio a Weslian Roriz à revelia de seu partido, que integra a coligação de Agnelo. Além de santinhos de Weslian, também foram encontrados no local material de campanha de sua filha Jaqueline Ro­­­riz (PMN) –que foi eleita deputada federal.

O local de distribuição do pão e leite, a Chácara Menino Jesus, também teria sido decorada com imagens de Weslian, Jaqueline e Jofran Frejat (PR) – que disputa o vice-governo do DF na chapa da candidata.

Com base nas imagens, Ag­­nelo pediu ao TRE a cassação do registro de Weslian e do diploma de Jaqueline Roriz. O tribunal investiga desvio ou abuso do poder econômico ou de autoridade em benefício de candidato ou partido político, com base na lei eleitoral.

Folhapress

  • O ex-governador do Distrito Federal Joaquim Roriz no dia do lançamento da candidatura de sua mulher, Weslian

"Xô, satanás, aqui o povo é de paz", dizia o locutor que puxava na terça-feira a carreata da candidata a governadora do Distrito Federal Weslian Roriz (PSC). "Não seja ingrato: vai votar em quem quer cobrar o seu lote, tirar você daqui, ou em quem quer regularizar a sua situação?", seguia indagando aos moradores do Varjão, área de invasão próxima ao centro da capital. As duas referências, religião e terra, ajudam a explicar o fenômeno Roriz em Brasília.

Aos 67 anos, a dona de casa Weslian ganhou fama nacional ao assumir a candidatura do marido, Joaquim Roriz, a nove dias do primeiro turno. Antes, nunca havia disputado uma eleição. Só assumiu a tarefa porque o companheiro, que governou o Distrito Federal por 14 anos, teve o registro cassado pela Justiça Eleitoral com base na lei da Ficha Limpa.

Ele recorreu da decisão ao Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu o julgamento em um empate histórico – a proclamação do resultado depende da indicação do 11º ministro da corte, que só ocorrerá após as eleições. Na dúvida, Joaquim preferiu não arriscar e renunciou. Nascia "dona" Weslian para a política.

"Foi uma decisão particular dela", afirma a filha, Jaqueline Roriz, recém-eleita deputada federal pelo PSC. "Fiquei bastante chocada, mas acho que foi uma decisão bem pensada." O cálculo, porém, subestimou tarefas básicas de um candidato, como dar entrevistas e participar dos debates na televisão.

A confusão começou logo na primeira coletiva. A cada questão, Joaquim soprava descaradamente a resposta para a esposa, que se escorava no bordão de que sua maior qualidade era ter acompanhado o ex-governador por 50 anos. A notoriedade ex­­trapolou as fronteiras do Distrito Federal quando Weslian participou dos debates na Rede Globo e SBT.

Uma das compilações com os "melhores momentos" da candidata disponível no site de vídeos Youtube tinha até sexta-feira quase 1,2 milhão de visualizações (Brasília tem 1,8 milhão de eleitores). Nas imagens, ela se atrapalha com papeis e palavras e solta pérolas como a frase "eu quero defender toda aquela corrupção", ato falho sobre os escândalos políticos da capital. Também de­­­monstra desconhecer termos básicos dos debates, como réplica e tréplica.

Com todos os percalços, mas amparada pela foto de Joaquim na urna eletrônica (não houve tempo para fazer a troca na época), fez 440.128 votos (31,5% dos válidos). Foi o suficiente para chegar ao segundo turno contra Agnelo Queiroz (PT), que somou 676.394 votos (48,41%). Desde o feito, não compareceu mais a debates.

Todas as pesquisas recentes apontam que ela está bem atrás do petista. Na última sondagem do Datafolha*, divulgada na sexta-feira, Agnelo aparece com 64% das intenções de voto (contando apenas os válidos). Weslian tem 36% e, na pior das hipóteses, deve conseguir ainda mais votos do que no primeiro turno.

Capital eleitoral

Se à distância as gafes soam como um vexame, a participação da candidata comprova o capital eleitoral da família Roriz. Além de Jaqueline, outra filha do casal, Liliane, elegeu-se deputada distrital. Já Joaquim manteve ao menos a escrita de nunca ter perdido uma eleição no Distrito Federal.

Depois de ser governador nomeado por José Sarney no final dos anos 1980 (as eleições na capital foram criadas pela Constituição de 1988), venceu nas urnas em 1990, 1998 e 2002. Em todas as gestões, acumulou popularidade graças à entrega de lotes públicos para famílias carentes.

"Ele tem um grupo de seguidores que vota nele independentemente de qualquer denúncia. Votam por uma gratidão falsa, como se o Roriz tivesse dado a terra, quando na verdade foi o Estado", avalia o senador Cris­­tovam Buarque (PDT), governador do Distrito Federal entre 1995 e 1998. Ele tentou a reeleição e perdeu justamente para Joaquim.

Em 2006, Roriz foi eleito senador. Em julho de 2007, renunciou ao cargo após ter sido flagrado por escutas telefônicas negociando a partilha de R$ 2,2 milhões, sem origem comprovada, com o ex-presidente do Banco de Brasília, Tarcísio Franklin de Moura, preso durante a Operação Aquarela. Após anunciar a decisão, foi direto rezar na Catedral de Brasília.

Esse tipo de renúncia torna o político inelegível por oito anos, de acordo com a lei da Ficha Limpa promulgada em julho. Ao desistir e lançar a esposa no seu lugar, Joaquim tentou mais uma vez vender a imagem de perseguido político. Acirrou a disputa entre azuis, aliados da família Roriz, e vermelhos, militantes do PT.

Ainda mais do que na campanha presidencial, a tentativa de diferenciação no Distrito Federal leva em consideração temas ético-religiosos. No primeiro debate do qual participou, Weslian sublinhou que Agnelo já foi do PCdoB e que os comunistas não acreditam em Deus. A todo momento tem enfatizado que é contra a legalização do aborto e a favor da vida.

Já o "outro lado", como dizia o jingle durante a carreata de terça-feira no Varjão, é o "desespero". Entre a comunidade humilde da região, Weslian e Joaquim foram recebidos como celebridades. Cercado por jornalistas, o casal repetiu a atitude do primeiro dia de campanha – Joaquim disse à mulher o que deveria responder.

Irritado com os questionamentos que insistiam sobre a participação nos debates, o ex-governador pediu para uma repórter da Rede Globo que dirigisse as perguntas apenas para ele. "Só que é ela a candidata", respondeu a jornalista. "Mas eu sou o marido dela", retrucou Joaquim.

Entre promessas de lotes, palavras de fé e parentesco, a carreata seguiu em frente. Apesar de tudo indicar uma vitória do PT no domingo, os Roriz permanecerão fortes – e com o aval de pelo menos um a cada três brasilienses.

* A pesquisa foi realizada entre os dias 20 e 21, com 1.115 entrevistados. A margem de erro é de 3 pontos porcentuais para mais ou para menos. O levantamento está registrado no TRE do Distrito Federal com o número 37.880/2010.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.