Cândido Vaccarezza, líder de Lula  na Câmara: candidato à presidência da Casa tenta acordo com o PMDB | Marcelo Casal/ABr
Cândido Vaccarezza, líder de Lula na Câmara: candidato à presidência da Casa tenta acordo com o PMDB| Foto: Marcelo Casal/ABr

Deputados federais do PMDB do Paraná defendem que o partido mantenha no futuro governo de Dilma Rousseff (PT) os seis ministérios que já tem hoje na administração de Lula. E acreditam que os paranaenses da legenda poderão ter participação neste processo, até pela atuação que o partido teria tido na eleição nacional deste ano.

Um dos que acreditam que o PMDB deveria manter os seis ministérios é Reinhold Stephanes, que no segundo governo de Lula ocupou a pasta da Agricultura. Ele afirma que parte dos ministros peemedebistas do atual governo deverá permanecer para o próximo ano. O deputado federal reeleito Osmar Serraglio (PMDB) também defende a opinião de que as seis cadeiras permaneçam com o partido. "Não deve mudar muito nessa transição", afirma Serraglio.

O deputado diz acreditar que o atual governador do Paraná, Or­­lando Pessuti (PMDB), assuma um cargo "expressivo" no governo de Dilma pelo fato de ter deixado de concorrer à reeeleição ao governo do estado nestas eleições para apoiar Osmar Dias (PDT). Pessuti é cotado para assumir uma pasta destinada a preparar o país para a Copa do Mundo de 2014.

Osmar Dias, aliás, também é cotado para assumir o ministério da Agricultura. Neste caso, ele disputa o posto com mais um peemedebista, o atual ocupante do cargo, Wagner Rossi. Ontem, o atual ministro afirmou que "cumpre ordens do partido". Ele relatou que membros do PMDB chegaram a discutir sobre especulações de cargos na festa de comemoração da eleição de Dilma, no domingo. "Mas o [vice-presidente eleito Michel] Temer foi taxativo e disse que não era o momento de negociar e que a composição do governo ficará a cargo da presidente Dilma", afirmou. "É lógico que o partido será chamado por ela e que iremos contribuir", completou.

Segundo o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), os peemedebistas preparam para amanhã uma reunião interna para discutir a transição no governo. Segundo ele, o clima é de divisão de tarefas. "Temos o sentimento de que o partido voltou ao poder", afirmou na noite de domingo.

Segundo ele, a legenda teve participação decisiva no resultado, principalmente no segundo turno. "Mostramos que o PMDB está organizado e presente." No Paraná, o feito foi impedir uma vitória ainda maior de Serra. "A oposição falava em uma vantagem de 1,5 milhão de votos para o Serra no estado. Graças também ao esforço do PMDB, cortamos isso pela metade." Serra venceu Dilma no Paraná por uma diferença de 633 mil votos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]