i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Gasolina, uma despesa médica

Quinze cidades do Centro-Sul precisam levar pacientes a outras cidades para exames e consultas

  • PorHeliberton Cesca
  • 24/08/2014 21:15
Com doença cardíaca, Reginaldo viaja quase 350 quilômetros para ser atendido em  Curitiba | Brunno Covello/Gazeta do Povo
Com doença cardíaca, Reginaldo viaja quase 350 quilômetros para ser atendido em  Curitiba| Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo
 |

Centro-Sul: o Paraná pobre

Brunno Covello/Gazeta do Povo

Cerca de 8% dos moradores da região são beneficiários do Bolsa Família, maior índice do estado e o dobro da média. Região enfrenta problema de distribuição de riqueza

Leia matéria completa

Apenas nove dos 24 municípios do Centro-Sul do Paraná oferecem leito para internamento hospitalar de pacientes pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Isso significa que 15 deles, a maioria, precisam levar moradores que dependem de tratamento médico a outra cidades. Por isso, um dos principais gastos das prefeituras com saúde é em transporte: combustível, salário de motoristas, diárias para viagens e manutenção de veículos.

A diretora de Saúde de Marquinho, Maria Jucelei Accordi, estima que, anualmente, o deslocamento de pacientes para Laranjeiras do Sul, Guarapuava e Curitiba consuma perto de 30% do orçamento da área – cerca de R$ 1 milhão de R$ 3,2 milhões. Ela diz que outro problema são os altos salários que o município precisa oferecer para atrair médicos."Gasto muito com médicos e não tenho dinheiro para exames. Mas, sem exames, não tem diagnóstico", lamenta. "O médico do Programa Saúde da Família ganha R$ 17 mil por 6 horas diárias. Ele nem cumpre integralmente [a jornada], porque tem que viajar. Se eu exigir que ele fique, o médico desiste", acrescenta.

Um caso típico de paciente que precisa viajar constantemente é o de Reginaldo dos Santos, de 6 anos. Ele nasceu com uma doença no coração e precisou colocar marca-passo com dois dias de vida. Já está no terceiro aparelho. "Eu precisei sair do emprego [na época do tratamento mais intensivo] porque não tinha jeito: tinha mais dois meninos em casa e precisava cuidar deles", conta o pai, Joani dos Santos (53). A mãe, Maria Aparecida (44), acompanhava o filho em Curitiba.

Em abril deste ano, a família, que mora em Goioxim, passou por mais um susto. Um problema respiratório levou Reginaldo a uma nova saga de viagens em busca de tratamento. Ele percorreu 90 quilômetros até Guarapuava, onde está o hospital mais próximo; e mais 250 quilômetros até Curitiba. Com tantas idas e vindas, sobram histórias. Há dois anos, o motorista da van da prefeitura esqueceu de apanhar Reginaldo, que ficou em Goioxim e perdeu um exame. Neste ano, a van estragou no meio da viagem. "A gente que está na estrada tem que ter fé em Deus", diz Maria Aparecida. Os médicos já aconselharam a família a se mudar para uma cidade maior, para facilitar o socorro em caso de emergência. "Não temos condições de ir embora", explica Joani, que trabalha fazendo pequenos serviços na agricultura e ganha por dia trabalhado.

"Precisamos de mais médicos especialistas [na região], otorrino, ortopedista. Cirurgia de útero paga pouco [ao médico], e ninguém quer fazer. Quem vai para a fila de espera fica cinco meses, seis meses", diz a coordenadora da Pastoral da Criança em Guarapuava, Joceli de Fátima Ramos Zeni. "Temos somente dois hospitais. É muito pouco. Não se consegue atender com qualidade a população", reclama a presidente da APP-Sindicato de Guarapuava, Jianete Ribeiro Neves de Souza.

Há dez anos, Guarapuava contava com seis hospitais atendendo pelo SUS. Com o tempo, as unidades foram fechando. Hoje, a cidade tem apenas o Hospital São Vicente de Paula, filantrópico; e o Instituto Virmond, particular. "A negociação para a construção de um Hospital Regional está avançada. Me disseram, em Curitiba, que a obra deve começar ainda em 2014. Além disso, queremos construir um centro de especialistas e unir os cinco consórcios de saúde dos municípios", afirma a diretora da 5.ª Regional de Saúde, Eliane Silva Dranca.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.