Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Eleições
  4. 2014
  5. Marina lança programa recheado de polêmicas

CAMPANHA

Marina lança programa recheado de polêmicas

Candidata do PSB relega pré-sal a segundo plano, prega uma menor presença do Estado na economia e sai em defesa do direito dos gays

  • Das agências
Marina Silva lançou ontem em São Paulo seu programa de governo |
Marina Silva lançou ontem em São Paulo seu programa de governo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O programa de governo lançado ontem pela campanha de Marina Silva (PSB), em São Paulo, levanta uma série de pontos polêmicos. Um deles diz respeito ao protagonismo do pré-sal, uma das bandeiras do atual governo. No plano de Marina, ele é relegado para segundo plano, o que gerou críticas da presidente e candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff.

A utilização da energia nuclear foi citada como importante na primeira versão do plano lançada ontem. À noite, porém, Marina soltou nota dizendo que a inclusão desse ponto foi um “erro de revisão”.

Também chama a atenção a posição de Marina a favor da criminalização da homofobia e do casamento gay, assuntos que enfrentam forte resistência da igreja evangélica, da qual a ex-senadora faz parte.

O programa de governo prevê ainda o fim da reeleição, a adoção de um mandato de cinco anos e mudanças nos critérios de votação para cargos proporcionais, buscando eleger os mais votados.

Em relação ao pré-sal, o programa tem papel secundário no eixo de prioridades para o setor energético proposto pela equipe de Marina. Só é abordado em uma referência física no texto. Em linhas gerais, o programa propõe a adoção de diferentes maneiras para a obtenção de energias com ampliação da participação da eletricidade e a redução do consumo absoluto de combustíveis fósseis através do aumento da proporção de energias renováveis, tais como energia eólica, solar e de biomassa, principalmente da cana-de-açúcar.

Estado menor

O programa prevê também uma menor presença do Estado na economia, criando condições para elevar a participação do capital privado nos investimentos. “A situação das finanças públicas e a rigidez do orçamento tornam imprescindível que deixemos de lado a prepotência e o dirigismo para criar as condições necessárias à atração de capital privado”, diz o documento. Assim, o programa apresentado por Ma­­ri­­na, elaborado quando Eduardo Campos ainda era o presidenciável do PSB, indica que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) terá papel menor no caso de vitória da ex-senadora.

Visão retrógrada e obscurantista, provoca Dilma

Das agências

A presidente Dilma Rous­­seff criticou ontem a ausência de prioridade à exploração do petróleo do pré-sal, uma das principais apostas de sua gestão, no programa de governo da presidenciável Marina Silva (PSB). A ex-senadora promete em um “realinhamento” da política energética para priorizar “fontes renováveis e sustentáveis”, e praticamente não faz menção ao pré-sal.

Questionada sobre o tema, ontem, em Salvador, Dilma disse, sem citar a adversária, que a intenção do programa de governo de Marina de colocar o pré-sal em segundo plano é “fundamentalista, retrógrada e obscurantista”.

“Eu acho que quem acha que o pré-sal tem que ser reduzido não tem uma verdadeira visão do brasil. É um retrocesso e uma visão obscurantista. O pré-sal é uma grande descoberta do Brasil”, afirmou.

Dilma também sugeriu desconhecimento de Marina sobre o assunto. “Não sei se é um desconhecimento da candidata supor que haja, entre as várias fontes alternativas, alguma para substituir o petróleo na matriz de combustíveis”, disse. “Nem o etanol, nem biodiesel substituem o petróleo. Eles complementam”, completou a presidente, que no fim da tarde foi ao Pelourinho, onde gravou imagens para o programa eleitoral e participou de um ato de comemoração dos 35 anos do bloco afro Olodum.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE