Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Governador Beto Richa comemora a reeleição após a proclamação do resultado no TRE | Albari Rosa / Agência de Notícias Gazeta do Povo
Governador Beto Richa comemora a reeleição após a proclamação do resultado no TRE| Foto: Albari Rosa / Agência de Notícias Gazeta do Povo

Richa vai bem no Oeste e Norte, mas perde votos na RMC

O Norte e o Oeste do Paraná garantiram a Beto Richa (PSDB) a reeleição no primeiro turno. Nas duas regiões, a segunda e a terceira mais populosas do Paraná, respectivamente, o tucano fez 65,77% e 62,53% dos votos. Já a Região Metropolitana de Curitiba (RMC) foi uma das duas únicas regiões onde Richa não venceria a eleição já no primeiro turno. Nos arredores da capital, o governador fez 49,01% dos votos – no Centro-Sul, ele fez 47,86%.

Leia matéria completa

 |

Prometeu, tem de cumprir!

A Gazeta do Povo compilou as promessas do governador reeleito Beto Richa (PSDB) durante a campanha eleitoral. O material foi coletado a partir do programa de governo registrado na Justiça Eleitoral, no site de campanha do tucano, no material distribuído à imprensa e em entrevistas.

Confira aqui as promessas do governador reeleito Beto Richa:

 |

Os vencidos

Terceira colocada na disputa pelo governo do Paraná, a senadora Gleisi Hoffmann (PT), criticou a campanha feita por seus adversários, afirmando que buscou trazer propostas concretas para o debate. "Apesar das mentiras e das calúnias propagadas pelos adversários contra a nossa candidatura, fizemos uma campanha limpa, séria, baseada em propostas concretas de desenvolvimento para o estado", disse, por meio de nota. "Tenho certeza que contribuímos com o processo de discussão da situação política e econômica do nosso estado", acrescentou.

Veja Mais

Na casa do senador Rober­­to Requião (PMDB), no Bigor­­rrilho, em Curitiba, o clima ontem após a divulgação do resultado das urnas era de decepção pela derrota do peemedebista. Mas também de alegria pela eleição para a Assembleia Legislativa do filho dele, Maurício (PMDB), que concorreu ao cargo usando o nome Requião Filho. O senador não quis conversar com a imprensa depois que Beto Richa (PSDB) foi confirmado como governador reeleito já no 1.º turno. Durante a contagem dos votos, pelo portão, foi possível observar o senador indo de um local para outro da casa por duas vezes.

Veja mais

Richa se reelegeu devido a fragilidade dos adversários somado a força do governo

Poder conquistado enquanto governador e fragilidade dos adversários. Para cientistas políticos, estes foram os dois fatores principais que contribuíram para a reeleição de Beto Richa (PSDB), que derrotou Roberto Requião (PMDB) e Gleisi Hoffmann (PT). Requião, inclusive, chegou a estar praticamente empatado com Beto no início das pesquisas de intenções de voto, mas perdeu força.

Leia mais

 |

PSC promove renovação forçada na Assembleia

A Assembleia Legislativa do Paraná sofreu um processo de renovação forçada: a votação expressiva de Ratinho Jr. (PSC) ajudou a eleger nove candidatos que nunca tinham exercido cargo na Casa. A bancada do PSC também inflou repentinamente, passando dos atuais dois deputados para 12 – a maior, se não forem consideradas as coligações. A base de apoio ao governador Beto Richa (PSDB) também aumentou. O PT elegeu três parlamentares – e viu a bancada ser reduzida em mais da metade. O PMDB também encolheu, perdendo cinco cadeiras.

Leia mais

 |

Paraná renova 40% da bancada na Câmara Federal

O Paraná elegeu 12 novatos para a Câmara dos Deputados. Das 30 vagas do estado, 18 são de deputados federais se reelegeram; os demais são principiantes. A taxa de renovação da bancada paranaense foi de 40%. Para especialistas, foi uma "pseudo-renovação", já que apenas duas candidatas (Christiane Yared e Leandre Dal Ponte) não têm histórico político.

Leia mais

  • Governador Beto Richa comemora a reeleição após a proclamação do resultado no TRE
  • Governador Beto Richa comemora a reeleição após a proclamação do resultado no TRE
  • Governador Beto Richa dá entrevista no TRE
  • Governador Beto Richa no momento da votação na manhã desse domingo (5)
  • Governador Beto Richa em meio aos repórteres na manhã desse domingo (5)
  • Governador Beto Richa reeleito para o cargo nesse domingo (5)
  • Governador Beto Richa foi reeleito e será o chefe do Executivo do Paraná pelos próximos quatro anos
  • O governador Beto Richa, ao lado da família ao receber título de cidadão honorário de Londrina no ano de 2007
  • Em 2005, Beto Richa toma posse como prefeito de Curitiba pela primeira vez. Em 2008, ele seria reeleito para o cargo
  • Beto Richa em 2009 ao tomar posse como prefeito reeleito de Curitiba. Mandato que não terminou. No ano seguinte, foi candidato a governador e elegeu-se para o cargo pela primeira vez
  • Em janeiro de 2011, Beto Richa toma posse pela primeira vez como governador do Paraná
  • Beto Richa em 1994 ao receber o diploma eleitoral. Naquele ano, ele foi eleito deputado estadual
  • Beto Richa em Curitiba quando era vice-prefeito de Cássio Taniguchi
  • Beto Richa em 2004, quando foi eleito prefeito de Curitiba
  • Beto Richa, governador reeleito para Paraná nesse domingo (5), ao lado do pai, o ex-governador José Richa
  • Beto e Fernanda Richa no momento do casamento
  • Beto Richa, no canto direito superior, junto com o pai - o ex-governador José Richa -, a mãe Arlete e os irmãos
  • O bebê Beto Richa, governador do Paraná reeleito nesse domingo (5)

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), assegurou nesse domingo (5) a reeleição no primeiro turno, mesmo concorrendo com dois senadores da República dos maiores partidos do Brasil – Roberto Requião (PMDB) e Gleisi Hoffmann (PT).

O tucano foi escolhido por 3.301.322 eleitores, o equivalente a 55,67% dos votos válidos e venceu nas principais cidades do estado. Ao comentar a vitória e falar sobre os planos para o próximo mandato, ele declarou que "o melhor está por vir".

Veja o resultado da apuração dos votos para governador no Paraná

FOTOS: veja imagens de Beto Richa nesse domingo e fotos da trajetória do governador reeleito

Veja a lista dos deputados estaduais eleitos para a Assembleia Legislativa

Saiba quem são os deputados federais que irão representar o Paraná em Brasília

A volta por cima de Alvaro Dias

Richa conquistou 8,6% mais votos do que na eleição de 2010 (3.039.774), quando também venceu no primeiro turno. Os problemas financeiros enfrentados no primeiro mandato – como a falta de pagamento a fornecedores e de gasolina para abastecer veículos da PM – não devem se repetir, segundo o governador. "Posso assegurar que o melhor está por vir. Dediquei parte do meu tempo a pagar dívidas. Agora, as contas estão praticamente saneadas", afirmou, na sede do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), onde atendeu à imprensa e comemorou a vitória.

Ainda não há, porém, indicação clara do caminho a ser seguido. "Vamos continuar assim: com muita austeridade e absoluto rigor na aplicação dos recursos públicos", disse, em primeiro momento. Depois, questionado se o estado ainda passaria por algum ajuste fiscal, declarou que "a prioridade é investir no social". "Nenhuma administração se justifica se não praticar ações para melhorar a vida das pessoas, em especial daquelas que mais precisam do poder público."

Retomando o tom da campana, o tucano voltou a reclamar do que considera "discriminação" do governo federal na liberação de recursos para o Paraná. "Vamos intensificar as ações de políticas públicas e investimentos, já que tivemos dificuldades para sanear as contas e por perdemos muito tempo para liberar um empréstimo [da União], que só veio depois de determinação do Supremo Tribunal Federal", atacou. Entretanto, disse que espera contar com a colaboração de Requião e Gleisi. "Quero cumprimentá-los pela campanha e espero contar com eles para ajudar o Paraná, afinal são senadores com mandato delegado pelo povo."

Legitimidade

Apesar de a vitória em primeiro turno dar legitimidade à administração tucana, analistas ponderam que são necessárias mudanças na gestão do estado. "Há uma tendência nacional, que se confirmou no Paraná, de eleições mantenedoras. Isso mostrou que o eleitor não está tão insatisfeito quanto parece pela cobertura dos meios de comunicação", observa o cientista político Emerson Cervi, professor da UFPR. Uma questão prática que vai modificar o governo, diz ele, é a acomodação de mais partidos e forças políticas na equipe. Richa foi reeleito com apoio de 17 partidos; em 2010, eram 14.

Cervi avalia que a vitória de Richa também é consequência do desempenho negativo dos candidatos de oposição. Mesma opinião tem Antonio Gonçalves de Oliveira, professor do Mestrado em Mestrado em Planejamento e Governança Pública da UTFPR. "Cabe ao governador empenhar-se para promover um mandato muito melhor do que foi o primeiro, corrigindo falhas cometidas, as quais, pela falta de opção política, não chegaram a influenciar no resultado da atual eleição."

Bancada

Oliveira acrescenta ainda que a nova composição da Assembleia Legislativa, com apoio maciço à Richa gera um "excesso" de governabilidade que pode ser ruim para o Paraná. "Para o governador, o lado bom é fazer tudo do jeito que projeta, mas também não há desculpa para não encaminhar os projetos. Para o povo é ruim, há falta dos pesos e contrapesos essenciais ao Estado Republicano. É quase que uma administração imperial." Cervi, por sua vez, lembra que a tendência no Brasil é que o segundo mandato tenha avaliação pior que a do primeiro.

Como "soldado" do partido, Richa ainda não projeta futuro

Com a confirmação de que o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, disputará o segundo turno, Beto Richa disse que pretende se dedicar à campanha nacional. "Ainda não pensei a respeito, mas talvez mais pra frente eu me licencie para intensificar a campanha do Aécio aqui no estado", afirmou. "Ele [Aécio] me garantiu que vai reconciliar o Brasil com o Paraná."O governador reeleito disse que se considera um "soldado" do partido e que ainda não tem planos para cargos futuros. "Nunca fui de me projetar para o futuro. Procuro desempenhar bem minhas funções para o cargo para o qual foi eleito. Aquele que se diz candidato de si geralmente está fadado ao insucesso. Sou um soldado do meu partido e cumpri com meu papel aqui no Paraná."

Para o cientista político Geraldo Tadeu Monteiro, professor na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Richa ganha projeção nacional com a vitória em primeiro turno, mas sofre a "concorrência" de outras figuras dentro do PSDB. "A princípio ele continua tendo a sombra de Geraldo Alckmin e José Serra". Além disso, analisa, é preciso "buscar" a liderança. "O Paraná é um estado importante e naturalmente o nome de Richa sai fortalecido. Mas, para se projetar nacionalmente, é preciso trabalhar para isso, tal qual Eduardo Campos fez, mesmo oriundo de um estado menos forte economicamente, que é Pernambuco."

Superando o mestre

Apesar da falta de incentivo do pai, Beto Richa ingressou na vida pública para superar o próprio. Segundo mandato de governador é um feito que José Richa não conseguiu alcançar

Carlos Guimarães Filho

Carlos Alberto Richa (PSDB) ingressou na vida pública em 1994 quando eleito deputado estadual, apesar do contragosto do pai, o ex-governador José Richa (1934-2003). Posteriormente, continuou galgando cargos na política estadual. Foi reeleito em 1998; vice-prefeito de Curitiba, em 2000; prefeito da capital, em 2004 e 2008; e governador do estado, em 2010 e agora em 2014.

O atual governador aprendeu a fazer política em casa, com o pai e demais políticos que frequentavam a residência da família como Ulisses Guimarães [ex-deputado, ex-ministro e candidato a presidente em 1989] e Tancredo Neves [ex-presidente]. As advertências de que a "vida pública é muito difícil" não foram suficientes para que Beto optasse pela carreira de engenheiro civil, sua formação acadêmica.

E, parece que o ensinamento político foi bem assimilado, a ponto do discípulo superar o próprio mestre. O segundo mandato como governador do Paraná coloca o filho do meio de três irmãos em um patamar que o patriarca não conseguir alcançar. Nas eleições de 1990, José Richa tentou, sem sucesso, retornar ao cargo máximo do Executivo estadual, ocupado anteriormente em 1982. Na ocasião, ficou em terceiro colocado na disputa.

A reeleição de ontem para governador do Paraná tem ainda um gostinho especial para família. No longínquo ano de 1990, além do fraco desempenho nas urnas, o patriarca dos Richa assistiu Roberto Requião (PMDB) vencer o pleito após uma disputa acirrada com José Carlos Martinez (1948-2003), então candidato do PRN e apontado como favorito pelas pesquisas. Na época, o caso Ferreirinha, quando um suporto João Ferreira se identificou como matador de agricultores a serviço da família Martinez durante o horário político de Requião, foi fundamental para a derrota do candidato do PRN -- posteriormente, a Polícia Federal provou que Ferreirinha era apenas um ator. Passados 24 anos, a vitória de ontem ainda no primeiro turno por uma larga vantagem de votos eliminou as pretensões do senador de assumir o comando do Paraná pela quarta vez.

O segundo mandato como governador marca também o início da terceira década na vida pública de Beto, uma espécie de resposta aos ataques adversários de que nunca trabalhou e "acorda sempre depois das 11 horas da manhã", frase proferida diversas vezes por Requião. Mais que isso, a reeleição alça o governador do Paraná ao hall dos nomes de peso do PSDB para eventuais disputas em âmbito nacional, apesar do mesmo renegar tais pretensões. A posição fica ainda mais evidente em função da proximidade com Aécio Neves, influente na cúpula do partido. "Eu vim para o Paraná pegar um pouco do mel de Beto Richa", declarou o candidato a presidência na sua última passagem por Curitiba, dando ênfase a força de voto de Richa.

Casado e pai de três filhos, Beto terá os próximos quatro anos no comando do estado para reafirmar sua posição de bom administrador antes de qualquer pretensão nacional. O período é necessário para apagar eventuais rusgas da última gestão quando enfrentou a falta de dinheiro nos cofres públicos, o que desencadeou problemas como carros da polícia sem gasolina, racionamento na alimentação dos cães da mesma corporação e inúmeros rebeliões pelo estado, entre outros.

Além dos cuidados com o estado, o governador tem outra tarefa paralela: acompanhar a carreira política do filho mais velho, Marcello, 28 anos. Assim como José Richa, Beto desencorajou o herdeiro, sem sucesso. Marcello já ocupou o cargo de secretário de Esportes de Curitiba na gestão de Luciano Ducci (PSB) e participou diretamente da campanha de Beto para reeleição para governador. No momento, a lei impossibilita que Marcello dispute cargos no estado governado pelo próprio pai. Porém, talvez para desgosto de duas gerações da família Richa, ele gosta de política e parece que quer fazer carreira na vida pública.

Beto Richa se reelegeu pela Coligação Todos Pelo Paraná, formada pelo PSDB, PROS, DEM, PSB, PSD, PTB, PP, PPS, PSC, PR, SD, PSL, PSDC, PMN, PHS, PEN e PTdoB. A deputada federal Cida Borghetti (PROS) foi eleita vice-governadora do Paraná.

Veja fotos da trajetória de Beto Richa

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]