220553

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Em ato, Lula diz ser mais honesto que Sérgio Moro

choro

Em ato, Lula diz ser mais honesto que Sérgio Moro

  • Folhapress Web
Lula chorou várias vezes diante de milhares de militantes do PT que lotaram a quadra do Sindicato dos Bancários em São Paulo | NELSON ALMEIDA/AFP
Lula chorou várias vezes diante de milhares de militantes do PT que lotaram a quadra do Sindicato dos Bancários em São Paulo NELSON ALMEIDA/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou em ato na quadra Sindicato dos Bancários na noite desta sexta (4) que está “vivo”, numa referência à disputa presidencial de 2018. “Cutucaram o cão com vara curta e, portanto, quero me oferecer a vocês”, afirmou Lula.

“A partir de hoje, a resposta que posso dar é ir para as ruas e dizer: “estou vivo e sou mais honestos do que vocês”.

LEIA TAMBÉM: Sergio Moro, um ilustríssimo desconhecido

Classificando a ação desta sexta-feira como uma “provocação banal e imbecil” e dizendo-se vítima de um “sequestro”, Lula afirmou ser mais honesto do que o juiz Sergio Moro.

“Pode pegar o Procurador-Geral da República, pode pegar o doutor Moro, pode pegar o delegado da Polícia Federal e juntar todos eles. Se eles forem R$ 1 mais honestos do que eu, desisto da vida pública.”

Lula chorou várias vezes diante de milhares de militantes do PT que lotaram a quadra do sindicato, no centro de São Paulo, num ato em homenagem a ele e contra as investigações da Operação Lava Jato.

O petista foi recebido sob aplausos e gritaria por volta das 20h30. Até a noite desta sexta, estimativa de público feita pelo Sindicato dos Bancários era de 5.000 pessoas. Lideranças do PT, incluindo o presidente do partido Rui Falcão e o prefeito Fernando Haddad, estavam presentes.

“Transformaram minha importância política à subordinação a empresas envolvidas na Lava Jato.”

Lula afirmou também que se quiserem o derrotar, terão de o “enfrentar nas ruas desse país”.

“Quero comunicar aos dirigentes que estão aqui que, a partir de segunda-feira, estou disposto a viajar esse país do Oiapoque ao Chuí. Se alguém pensa que vai me calar com perseguição e denúncia, vou falar que sobrevivi à fome. Não sou vingativo e não carregou ódio na minha alma, mas quero dizer que tenho consciência do que posso fazer por esse povo e tenho consciência do que eles querem comigo.”

“Se vocês estão precisando de alguém para comandar a tropa, está aqui.”

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>