i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Guerrilha

Exame pode confirmar que criança nasceu no Araguaia

  • PorAgência O Globo
  • 16/03/2014 21:14

Lia Cecília da Silva Martins, 39 anos, faz parte de mais uma história a ser desvendada sobre a Guerrilha do Araguaia: a dos filhos de guerrilheiros mortos pelo Exército. Amanhã, a Comissão sobre Mortos e Desaparecidos Políticos entrega o resultado da contraprova do exame de DNA à família do guerrilheiro Antonio Theodoro de Castro, o Raul, desaparecido em 1973, que seria o pai de Lia.

O parto teria sido feito pelo pai. O bebê teria sido entregue pelo Exército a um orfanato em Belém (PA). O mateiro José Maria Alves da Silva, o Zé Catingueiro, foi quem confirmou pela primeira vez a existência da filha do guerrilheiro a uma das irmãs dele, Mercês Castro. Ainda falta saber quem é a mãe de Lia.

Há relatos sobre outros filhos de guerrilheiros que teriam sido retirados dos pais. Hoje com 77 anos, Catingueiro diz que soube de outras "duas ou três crianças" que seriam filhas de guerrilheiros. "As crianças foram tiradas para outro lugar. Os grandes sempre deram graças a Deus de não terem matado nenhum inocente", conta, referindo-se aos comandantes das tropas. Ele acha difícil saber exatamente quantas eram e o que aconteceu com elas. "Tinha soldado de quartel de todo o Brasil", resume.

Uma das crianças seria filha de José Carlos, o codinome de André Grabois, fora do casamento. Ele foi casado com Criméia Almeida, com quem teve um filho, João Carlos Grabois. "Tive meu filho na prisão, e eles me ameaçavam, diziam que iam ficar com ele. Mas mesmo se não acharem mais nenhuma criança, a Lia é uma prova de que elas existiram", diz Crimeia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.