i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
cargos

Governo faz trocas na cúpula da Caixa para agradar sete partidos da base aliada

Michel Temer, quando ainda era interino, disse que barraria aparelhamento político nas estatais e fundos de pensão

    • Estadão Conteúdo
    • 08/12/2016 07:20
     | Pillar Pedreira/Agência Senado
    | Foto: Pillar Pedreira/Agência Senado

    Seis meses depois de Gilberto Occhi assumir o comando da Caixa, o governo Michel Temer fará uma grande dança das cadeiras nas 12 vice-presidências do banco estatal. Os nomes devem ser publicados nesta quinta-feira (8) no Diário Oficial da União (DOU).

    O jornal O Estado de S.Paulo apurou que as indicações atendem a pedidos do PMDB, PSDB, DEM, PR, PRB, PP e PSB.

    Ainda na interinidade, Temer anunciou que barraria o aparelhamento político nas estatais e fundos de pensão. Ele suspendeu as nomeações com o argumento de que só seria nomeado “pessoal com alta qualificação técnica”.

    Senado mantém votação da PEC do teto e pode retirar urgência da Lei de Abuso de Autoridade

    Leia a matéria completa

    No fim de junho, o presidente sancionou a Lei das Estatais, que estabelece regras mais rígidas para os dirigentes das estatais, como dez anos de atuação em cargos de empresas do setor ou quatro anos em companhias similares.

    Braço-direito do presidente Temer, Roberto Derziê assumirá a vice-presidência de Governo, no lugar de Paulo José Galli. Derziê já foi vice-presidente de Operações Corporativas da Caixa, mas deixou o cargo em junho de 2015 para trabalhar como secretário-executivo do Temer, quando ele acumulou a articulação política, antes da presidente Dilma Rousseff cair.

    Para o cargo de vice-presidente de Finanças e Controladoria, foi escolhido Arno Meyer, da equipe da Secretaria da Fazenda do governo tucano de Geraldo Alckmin, em São Paulo. Ele tem a confiança do secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, que também fez parte do governo Alckimin.

    A indicação do vice-presidente de Riscos gerou atritos entre a equipe econômica e o núcleo político de Temer.

    O ex-ministro de Governo, Geddel Vieira Lima, defendeu o nome Paulo Henrique Ângelo Souza, superintendente regional da Caixa na baixada santista.

    O Ministério da Fazenda vetou o nome porque queria alguém com perfil mais técnico. A Pasta queria blindar a área do banco responsável pelo rigor no cumprimento dos acordos internacionais de exigência de capital, supervisionados no Brasil pelo Banco Central.

    Três Poderes se unem contra a crise e STF mantém Renan no comando do Senado

    Leia a matéria completa

    A indicação, no entanto, foi bancada pelo deputado Pauderney Avelino (DEM-AM). O partido não tinha feito nenhuma indicação e o governo teve que ceder.

    Na vice-presidência de Tecnologia da Informação, sairá Joaquim Lima de Oliveira para entrar José Antônio Eirado, que integra o governo do Distrito Federal na gestão de Rodrigo Rollemberg (PSB). Ele já foi chefe do Departamento de TI do Banco Central e diretor da Infraero.

    Para a vice-presidência de Operações Corporativas, sai Lucas José Palomero e entra Marcelo Prata, que conta com o apoio da senadora Rose de Freitas (PMDB-ES).

    Alguns dos atuais vice-presidentes vão ser mantidos nos cargos com as bênçãos dos partidos da base. São os casos de Marcos Fernando Fontoura dos Santos Jacinto, na vice-presidência de Gestão de Pessoas, e Fábio Lenza, em Negócios Emergentes.

    Vitorioso no STF, Renan não se livrou de “puxão de orelha” de ministros

    Leia a matéria completa

    Os dois contam com o apoio da família Sarney (PMDB). Jacinto foi secretário do governo Roseana Sarney (PMDB), filha do ex-presidente José Sarney (PMDB), e é apontado por políticos do Maranhão como indicado do senador João Alberto (PMDB-MA), aliado da família – foi vice de Roseana em 2006 e depois eleito senador na chapa da peemedebista em 2010, junto com Edson Lobão (PMDB-MA).

    Antonio Carlos Ferreira vai continuar como vice-presidente Corporativo, com o apoio do PRB, da bancada evangélica. Deusdina dos Reis Pereira será efetivada na vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias, com a indicação do PR. Esse lugar já foi ocupado por Fábio Cleto, que fez delação premiada para denunciar esquema de corrupção no FI-FGTS, fundo de investimento que usa parte dos recursos do FGTS para aplicar em infraestrutura.

    Responsável pela administração do FI-FGTS, a vice-presidência de Gestão de Ativos ficará com Flávio Eduardo Arakaki, nome técnico e com as qualificações exigidas para o cargo.

    Ligados ao PP, também responsável pela indicação de Occhi para a presidência do banco, Nelson Antonio de Souza continuará com Habitação e José Henrique Marques da Cruz com Varejo e Atendimento. (Murilo Rodrigues Alves)

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.