Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Dilma Rousseff inaugurou Avenida Celso Furtado, no Recife. | Roberto Stuckert Filho/PR/Fotos Públicas
Dilma Rousseff inaugurou Avenida Celso Furtado, no Recife.| Foto: Roberto Stuckert Filho/PR/Fotos Públicas

Diante de uma plateia dividida entre militantes do PSB e do PT, no Recife, a presidente Dilma Rousseff pregou unidade e respeito à democracia como saídas para a retomada do crescimento econômico do país.

A petista esteve nesta quinta-feira (21) na capital pernambucana para inaugurar a Avenida Celso Furtado, conhecida como Via Mangue. “Essa obra é um exemplo de parceria para o nosso país que envolveu três prefeitos, dois presidentes e dois governadores. Isso é algo fundamental para que uma obra dessa proporção vire realidade”, afirmou Dilma.

O complexo viário formado por duas pistas de quase cinco quilômetros cada, responsável por ligar a zona sul ao centro do Recife, precisou de 16 anos para sair do papel. O projeto da Via Mangue foi feito em 2000, pelo então prefeito Roberto Magalhães (DEM), mas a ordem de serviço só foi dada em 2011 na administração do petista João Paulo Lima e Silva.

As obras se arrastaram por mais quatro anos de governo do PT com o prefeito João da Costa. Hoje, todos cobram sua parcela de contribuição na construção do empreendimento que deve absorver um fluxo de 55.000 veículos por dia.

Moro nega pedido de José Dirceu para ficar frente a frente com delatores

Leia a matéria completa

Em seu discurso, o prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), tentou amenizar a disputa pela “paternidade” da estrada. “Se o meu governo teve um papel importante nessa obra, também quero aqui ressaltar a importância dos ex-prefeitos que contribuíram diretamente. Hoje é dia de celebrar uma conquista que é do povo pernambucano”, disse.

A estrada recebeu um investimento de R$ 431 milhões. Do total aplicado, 75% dos recursos foram financiados pela Caixa Econômica Federal com subsídios da União. Medida que Dilma fez questão de ressaltar como importante para o Brasil.

“Alguns consideram que reduzir os juros para Estados e município em grandes obras faz parte de um processo incorreto, nós não. Achamos que é justo e legítimo assegurar financiamentos e manter os subsídios”, afirmou a petista.

Sem falar diretamente de impeachment, a presidente defendeu a democracia como “algo virtuoso” para uma sociedade, pois lhe dá a oportunidade de discordar e se manifestar. “Mas isso não nos impede de ter unidade e ação conjunta sobre questões importantes para os brasileiros”, disse.

Aproveitando sua segunda passagem por Pernambuco em menos de um mês, a presidente voltou a garantir a conclusão da transposição do rio São Francisco no fim deste ano. Mesmo reconhecendo a necessidade de mais ajustes, Dilma disse que não contingenciará recursos para obras de segurança hídrica.

“Vamos tornar realidade a convivência do homem com a seca e isso será bom para o Nordeste e para o Brasil”, afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]