i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Para Moro, o Brasil paga custo grande para enfrentar a corrupção

Juiz da Lava Jato afirma que os repetidos escândalos estão minando a confiança na democracia

    • Agência O Globo
    • 02/08/2016 17:46
     | Daniel Castellano/Gazeta do Povo/Arquivo
    | Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo/Arquivo

    No despacho que autorizou a deflagração da 33ª fase da Operação Lava Jato, o juiz Sérgio Moro afirmou que o país está pagando um custo “grande” para enfrentar a corrupção, mas que eles seriam maiores se não fossem enfrentados agora. Para Moro, os repetidos casos de corrupção estão “minando a confiança nas leis e na democracia”.

    “Se os custos do enfrentamento hoje são grandes, certamente serão maiores no futuro. O país já paga, atualmente, um preço elevado, com várias autoridades públicas denunciadas ou investigadas em esquemas de corrupção, minando a confiança na regra da lei e na democracia”, afirmou o juiz.

    Nova fase da Lava Jato investiga caixa dois para reeleição de Lula

    Leia a matéria completa

    Moro voltou a destacar a necessidade das prisões preventivas como instrumento para frear a corrupção. desta terça-feira (2), foram presos o ex-dirigentes da Queiroz Galvão Ildelfonso Colares e Othon Zanoide de Moraes Filho.

    “Embora as prisões cautelares decretadas no âmbito da Operação Lava Jato recebam pontualmente críticas, o fato é que, se a corrupção é sistêmica e profunda, impõe-se a prisão preventiva para debelá-la, sob pena de agravamento progressivo do quadro criminoso”, explica o juiz, completando:

    “A corrupção sistêmica é produto de uma prática criminosa serial e não um ato isolado no tempo e espaço. Não raramente os casos de corrupção descobertos constituem apenas uma amostragem de atividades criminosas muito mais extensa”

    Além dos dois executivos da construtora, a Polícia Federal cumpriu 32 ordens judiciais, sendo 23 mandados de busca e apreensão, dois de prisão preventiva, um de prisão temporária e 6 de condução coercitiva. Os mandados são cumpridos em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Goiás, Pernambuco e Minas Gerais.

    O mandado de prisão temporária contra Marcos Pereira Reis ainda está em aberto. Ele está no exterior, segundo a PF. São investigados na ação contratos do Complexo Petroquímico do Rio (Comperj), da Refinaria Abreu Lima, da Refinaria Vale do Paraíba, da Refinaria Landulpho Alves e da Refinaria Duque de Caxias.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.