i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
pedágios

Para União, não cabe à Alep decidir sobre pedágios nas rodovias federais

Secretário do Ministério dos Transportes afirma que poderá haver problemas jurídicos caso a lei estadual sobre pedágios seja aprovada

  • PorEuclides Lucas Garcia
  • 26/06/2016 22:17
Praça de pedágio em Jataizinho, interior do Paraná: discussão sobre renovação de contratos está parada no justiça. | Roberto CustodioO / 
rquivo  Jornal de Londrina
Praça de pedágio em Jataizinho, interior do Paraná: discussão sobre renovação de contratos está parada no justiça.| Foto: Roberto CustodioO / rquivo Jornal de Londrina

A tentativa dos deputados estaduais de dificultar a renovação dos atuais contratos de pedágio no Paraná pode encontrar resistência legal. Ao menos na visão do secretário de gestão do Ministério dos Transportes, Luciano Castro, não caberia à Assembleia Legislativa ter poder de decisão no caso por se tratar de rodovias federais.

Pelo atual texto de dois projetos que tramitam unificados, “a formalização da prorrogação do prazo do contrato de concessão, independente do período, dependerá de prévia aprovação da Assembleia, pelo voto da maioria absoluta de seus membros”. As propostas, de autoria de Douglas Fabrício e Tercílio Turini (ambos do PPS), já foram aprovadas em primeira votação e precisam passar novamente pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para retornarem ao plenário para análise do mérito, em segunda discussão.

1,8 mil quilômetros

Esta é parte do Anel de Integração que faz parte dos atuais contratos de pedágio, que foram assinados em 1997 na gestão Jaime Lerner e vencem em 2021. No total, o anel tem 2,5 mil km. Uma das possibilidades é que eles sejam renovados por mais 24 anos .

Líder do Executivo na Casa, o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) declarou que o governador Beto Richa (PSDB) deu aval ao voto pela aprovação do tema e que teria afirmado que irá sancioná-lo, caso seja aprovado.

Ainda que vire lei, porém, a regra pode enfrentar problemas jurídicos. “Desconheço o teor do texto, não posso opinar. Mas o que posso dizer é que não cabe à Assembleia decidir sobre rodovias federais”, disse Luciano Castro. É ele quem coordena os trabalhos para decidir se o governo federal concordará em estender a delegação das rodovias federais que foram repassadas ao governo do Paraná para a implantação do pedágio.

Os contratos serão renovados “se as condições forem muito vantajosas, com redução drástica de tarifa e ampliação expressiva na quantidade de obras”, afirmou Castro no início deste ano.

Desde março, no entanto, a discussão está paralisada por decisão do Tribunal Regional Federal (TRF-4), que manteve despacho de 2015 do juiz federal Rogério Cangussu Dantas Cachichi no sentido de que os envolvidos – governos federal e estadual − se abstenham de qualquer ato de renovação relacionado ao pedágio. “Tudo está paralisado. Estamos prestando esclarecimentos à Justiça Federal”, informou Castro.

Na liminar, o magistrado questionou, por exemplo, a participação das concessionárias no processo de negociação, alegando que as empresas podem contaminar o processo a partir do poder econômico que exercem. “A prorrogação do convênio [de cessão das rodovias federais ao Paraná] há de ter em mira exclusivamente o interesse público entre os entes políticos envolvidos (União e estado), numa racionalidade comunicativa livre da interferência do poder econômico das empresas privadas”, diz o texto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.