i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ditadura

Peritos voltam a cemitério atrás de desaparecidos

  • PorAgência Estado
  • 28/11/2010 21:15

São Paulo - Peritos e representantes do Mi­­­­nistério Público Federal em São Paulo e da Comis­­­são Es­­­pecial sobre Mortos e Desapa­­­re­­­cidos Políticos vão retornar ao cemitério de Vila Formosa, na zona leste de São Paulo, hoje, em busca dos restos mortais de desaparecidos políticos.

Dependendo do que for en­­­contrado pela equipe de peritos no depósito clandestino localizado debaixo de canteiro onde ficava um letreiro do cemitério, há a possibilidade de exumação para análises posteriores, segundo o MPF.

Os trabalhos de busca no cemitério Vila Formosa, iniciados em 8 de novembro, vi­­­sam localizar os restos de aproximadamente dez desaparecidos políticos, entre os quais, os de Virgílio Gomes da Silva, o Jonas. Mais de 450 pessoas fo­­­ram mortas ou desapareceram durante o período do último regime militar no Brasil (1964-1985).

A família de Virgílio Gomes da Silva obteve documentos que apontam o número do terreno em que ele teria sido enterrado no cemitério da Vila Formosa, em 1969. Essas informações foram repassadas à procuradora da República Eugênia Gonzaga e ao procurador regional da República Marlon Alberto Weichert.

Durante as buscas foi constatado que a sepultura e a quadra foram renumeradas, bem como surgiu a possibilidade de que os restos mortais tenham sido levados para outro local.

Uma análise com base nos dados preliminares coletados com a ajuda de um radar de penetração no solo (GPR), combinados com fotografias aéreas de 1972, permitiu aos peritos localizar uma estrutura embaixo de um canteiro onde antigamente se encontrava um letreiro do cemitério que pode ser um depósito de ossos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.