i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
operação PANACEIA

Prefeito de cidade do PR diz que não condena secretários presos antes da Justiça

Secretários de Finanças e de Saúde foram presos pelo Gaeco acusados de desviar recursos públicos em Santa Tereza do Oeste

  • PorLuiz Carlos da Cruz, especial para a Gazeta do Povo
  • CASCAVEL
  • 29/01/2016 07:36
Amarildo Rigolin, prefeito de Santa Tereza do Oeste: em defesa dos secretários presos. | Divulgação
Amarildo Rigolin, prefeito de Santa Tereza do Oeste: em defesa dos secretários presos.| Foto: Divulgação

O prefeito de Santa Tereza do Oeste, Amarildo Rigolin (PP), afirmou que não pode condenar seus dois secretários que estão presos desde terça-feira (26) antes que a Justiça dê a sentença. Os secretários Júlio Cezar Valdomeri (Finanças) e Fernando Prado (Saúde) foram presos durante a quarta fase da Operação Panaceia, que investiga desvio de recursos da saúde em mais de 20 prefeituras da Região Oeste do Paraná. Além deles, os empresários Márcio José Veiga e Joe Henrique Franz, donos de uma distribuidora que fornece medicamentos ao Município foram presos.

Secretários e empresários são presos por fraude em licitações no Oeste do PR

Leia a matéria completa

Rigolin também não pretende exonerar os secretários, mas afirma que está abrindo um processo administrativo para saber o que aconteceu. Ele afirmou que ambos os secretários são pessoas de sua “extrema confiança” e sugeriu que as denúncias podem estar ligadas ao “estopim de pólvora” que seria a oposição política na cidade. “Não posso condená-los até que a Justiça prove [os supostos crimes]”, declarou. Ele ressaltou, no entanto, que o caso tem que ser investigado a fundo.

No dia da operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), os policiais encontraram R$ 6 mil no gabinete do secretário de Saúde que não soube explicar a origem. Segundo o Gaeco, o grupo preso é responsável por fraudar pelo menos 30 licitações desde 2013 e causado um roubo de aproximadamente R$ 600 mil aos cofres públicos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.