Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Pressionado por ação do MP, Derosso se afasta da Câmara

Curitiba

Pressionado por ação do MP, Derosso se afasta da Câmara

Presidente do Legislativo Municipal foi denunciado à Justiça por improbidade e poderia ser tirado do cargo a qualquer momento

  • Chico Marés
João Cláudio Derosso, presidente licenciado da Câmara de Curitiba |
João Cláudio Derosso, presidente licenciado da Câmara de Curitiba
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Pressionado por ação do MP, Derosso se afasta da Câmara

A contragosto, o presidente da Câmara de Curitiba, João Cláudio Derosso (PSDB), pediu afastamento por 90 dias do comando da Casa. O pedido foi votado na sessão de ontem e aprovado por unanimidade. Derosso pediu também uma licença temporária do PSDB.

No pedido, Derosso se diz vítima de perseguição política por parte da imprensa, deixa claro que o pedido “não é de seu desejo no presente momento” e diz que seu afastamento servirá para facilitar os trabalhos de investigação das denúncias das irregularidades nos contratos de publicidade. Quem assume a presidência interinamente é Sabino Picolo (DEM).

Derosso está sob suspeita de ter cometido irregularidades na contratação de agências de publicidade para a Câmara. Apenas duas empresas responderam ao edital publicado em 2006. Uma delas é a Oficina da Notícia, de propriedade de sua atual esposa, a jornalista Cláudia Queiroz Guedes. O caso foi investigado pelo Ministério Público, pelo Conselho de Ética da Câmara, pelo Tribunal de Contas e por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).

Em entrevista à RPC TV, Derosso afirmou que sempre cumpriu decisões judiciais e que, por isso, pediu seu afastamento. “Uma vez que fui denunciado pelo Ministério Público (...) achei por bem tirar essa licença temporária para que a Justiça tenha toda a tranquilidade e ver que tudo aquilo que foi feito estava correto”, disse o vereador. Derosso também defendeu seu legado no comando da Câmara. “Fui eleito presidente em 1997 e fiz a transformação que essa Casa precisava e ainda precisa, uma transformação física, administrativa e em transparência.”

Na última quinta-feira, o MP entrou com uma ação por improbidade administrativa contra Derosso. A ação incluía um pedido liminar de afastamento do vereador da presidência da Câmara e o bloqueio de seus bens. Além disso, o MP pede também a devolução de R$ 5,9 milhões aos cofres públicos. Com essa suspensão iminente, vereadores da base de apoio ao prefeito Luciano Ducci (PSB), incluindo o próprio Derosso, se reuniram ontem e decidiram, em conjunto, que seria melhor que ele se afastasse por conta própria. “Houve uma reunião de lideranças com o presidente e chegou-se ao entendimento de que seria importante para o Parlamento que houvesse esse pedido de afastamento”, afirma o vereador Pastor Valdemir Soares (PRB), um dos principais aliados de Derosso.

Já a oposição avalia que a saída de Derosso deve ser positiva para a Câmara. “Desde o início desse processo nós já defendíamos o afastamento dele”, comenta o vereador Pedro Paulo (PT). Entretanto, a vereadora Professora Josete (PT) pontua que a saída veio em um momento em que ele já não tinha mais outra saída. As investigações começaram há quatro meses, mas só agora o vereador decidiu se afastar do cargo. “Para ele, é menos mau pedir o afastamento do que ser afastado pela Justiça”, diz a vereadora.

Apesar da licença, o Conselho de Ética ainda deve apresentar um outro pedido de afastamento do presidente da Casa. Existem duas diferenças entre os dois processos: o processo do Conselho é punitivo, enquanto o afastamento pedido pelo MP é cautelar. Além disso, os vereadores podem determinar que Derosso se afaste do cargo de vereador, e não só da presidência da Casa. A comissão que avalia essa punição ainda não tem uma data para apresentar esse pedido e nem a duração desse afastamento – que pode ser de até 90 dias.

* * * * *

Não respondido

A investigação sobre os contratos de publicidade da Câmara ainda não respondeu a muitas das dúvidas sobre o caso. Veja o que já se sabe e o que resta responder:

O fato de Cláudia Queiroz ser funcionária da Câmara na época da licitação torna o contrato irregular?

A lei brasileira proíbe que funcionários públicos participem de licitações.

Cláudia e Derosso já tinham um relacionamento na época da licitação?

Os dois negam. Dizem que se conheciam, mas que não eram namorados. Depoimentos, porém, mostram que os dois já teriam ligação profissional prévia.

Houve favorecimento às agências contratadas em 2006?

O edital da licitação foi publicado apenas no Diário Popular. Apenas duas agências disputaram os contratos e venceram.

A revista Câmara em Ação realmente circulou?

Embora a Câmara tenha pago pelo material, mesmo os vereadores dizem que não viram a publicação circular. Derosso garante que os números existem.

* * * * *

Interatividade

Qual a sua opinião sobre a decisão de Derosso pedir afastamento da Câmara de Curitiba por 90 dias?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE