i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mudou de ideia

Pressionado, Renan antecipa votação do impeachment no Senado

Presidente da Casa foi convencido até a realizar sessões no sábado e no domingo

    • Brasília
    • Folhapress
    • 02/08/2016 18:27
     | Geraldo Magela/Agência Senado
    | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

    Após a articulação montada pelo governo interino para que o julgamento final do processo de impeachment não se estenda até setembro, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta terça (2) que o processo de votação deve começar em 25 ou 26 de agosto.

    A data precede a que havia sido acordada com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, em 29 de agosto.

    “Com certeza nós temos como concluir isso antes do final do mês. Vamos trabalhar para que isso efetivamente aconteça, porque a lei manda que levemos em consideração esses prazos”, disse Renan. A fala de Renan gerou reações de senadores aliados à presidente afastada, Dilma Rousseff, que prometeram retaliar.

    Relator recomenda impeachment e diz que Dilma cometeu “autêntico atentado à Constituição”

    Leia a matéria completa

    No fim de semana, o STF divulgou a previsão feita em um acordo entre os dois presidentes para que a votação final comece em 29 de agosto. A divulgação desta data, no entanto, irritou o Palácio do Planalto, que tem pressa para que a questão seja definida ainda em agosto.

    A preocupação do presidente interino, Michel Temer, é que ele não consiga viajar para a China, no início de setembro, para participar da cúpula dos chefes de Estado do G-20, como presidente efetivo. De acordo com aliados, o peemedebista cogita cancelar sua participação no encontro caso o processo de impeachment não seja concluído a tempo.

    Para tentar alterar a data, o governo interino começou a atuar junto à base aliada no Senado para que ela convencesse Renan a antecipar a fase de julgamento para o início da quarta semana de agosto, por volta do dia 25, com sessões também no fim de semana, o que viabilizaria que o processo fosse concluído ainda em agosto.

    Renan almoçou com Temer nesta terça para discutir o assunto. Os dois foram acompanhados pelos senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e Eunício Oliveira (PMDB-CE). Após o encontro, Jucá reconheceu que o calendário do impeachment foi discutido no almoço e disse que o objetivo é encerrar o processo ainda em agosto. “Não dá para o presidente do país chegar a uma reunião do G-20 como interino. Isso faz mal ao país”, disse

    Renan, no entanto, negou que Temer tenha feito um apelo pela antecipação e disse que a data provável para o incio do julgamento nada tem a ver com o G-20. “É evidente que ir para a reunião do G-20 nessa condição é ruim para o Brasil e para as instituições. Mas ele não falou. Já temos um calendário que já foi mais ou menos pré-definido”, disse Renan, que afirmou acreditar em uma cooperação dos senadores para que a sessão final não se prolongue por mais do que cinco dias.

    Para ele, a “obsessão em informar” levou técnicos tanto do STF quanto do Senado a “fazerem calendários alternativos”. “Isso acaba complicando bastante”, disse.

    O peemedebista deve se reunir com Lewandowski nesta quarta (3) para tratar do calendário, que só deverá ser confirmado na próxima semana, após a votação prévia do relatório final no plenário, em 9 de agosto. De acordo com ele, a acusação e a defesa devem arrolar cinco testemunhas cada uma. Elas falarão durante o julgamento no plenário da Casa.

    O líder da oposição, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), no entanto, protestou contra a mudança de data e disse que isso de fato acontecer, a defesa apresentará uma lista com 40 testemunhas. Este é o número que a defesa tem direito de apresentar. Entretanto, um acordo entre os dois lados limitou o número de depoimentos no plenário.

    Renan também cancelou as sessões deliberativas do Senado desta quarta e desta quinta para não inviabilizar o andamento da comissão especial do impeachment, o que poderia atrasar o calendário já estabelecido.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.