i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
controle de gastos

Projeto de teto de gasto federal enfrenta resistência no Senado

Dos 11 senadores que falaram sobre o tema nesta terça-feira (16), durante audiência pública na CAE, apenas dois não levantaram restrições à PEC

    • Folhapress
    • 16/08/2016 23:37
    Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) realiza audiência interativa debater a PEC 241 | Marcos Oliveira/Agência Senado
    Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) realiza audiência interativa debater a PEC 241| Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

    A proposta do governo que limita o crescimento do gasto federal à inflação por até 20 anos, que ainda está na Câmara dos Deputados, já enfrenta resistência de senadores da oposição e também da base aliada do presidente interino, Michel Temer (PMDB).

    Dos 11 senadores que falaram sobre o tema nesta terça-feira (16), durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE), apenas dois não levantaram restrições à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, os tucanos José Aníbal (PSDB-SP) e Tasso Jereissati (PSDB-CE).

    Nenhum senador do PMDB, partido de Temer, falou durante o debate.

    O senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), por exemplo, afirmou ser favorável ao controle dos gastos, mas disse ter dúvidas em relação à possibilidade de haver uma redução nas despesas com saúde e educação.

    O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) afirmou que o fim da vinculação constitucional nessas duas áreas pode ser um entrave à aprovação do projeto e defendeu aumentos de gastos nessas áreas antes que a limitação seja aprovada.

    Para o senador Roberto Muniz (PP-BA), a possibilidade de que o teto de gasto se aplique também aos Estados vai privilegiar os governadores que gastaram mais nos últimos anos e que terão um valor maior de despesa que será corrigida pela inflação.

    Disse ainda que a proposta não vai contemplar a questão da qualidade do gasto. “Acho que a gente tem de ter um pouco mais de inteligência ao olhar esse projeto, tem um campo enorme para discutir esse ajuste fiscal.”

    A destinação dos recursos que poderão ser economizados foi a preocupação levantada pelo senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), que sugeriu reservar metade desses ganhos para investimentos. “Parece que o projeto precisa de uma correção. Vai usar só para reduzir dívida? Está errado.”

    O senador Cristovam Buarque (PPS-DF), por outro lado, afirmou que o projeto deveria ser mais rigoroso na questão do controle de gastos, sob o risco de criar uma indexação da despesa. Afirmou ainda que os recentes aumentos dados ao funcionalismo podem desmoralizar a PEC.

    Os senadores Vanessa Grazziotin (PcdoB-AM), Lindbergh Farias (PT-RJ) e Fátima Bezerra (PT-RN) se colocaram totalmente contra o projeto. A presidente da CAE, Gleisi Hoffmann (PT-PR), afirmou que não emitiria sua opinião, mas disse que a nova regra vai impedir futuros governos de fazer política fiscal.

    “Ao lado da PEC, precisaríamos de outras medidas, como desvincular todos os benefícios sociais do salário mínimo e uma reforma previdenciária”, afirmou Grazziotin. Não se trata de um ajuste fiscal. É o neoliberalismo de volta. Depois dessa maldade, e analisamos ser essa PEC inconstitucional, virão outras.”

    Lindbergh afirmou que o projeto não trata do gasto com juros, principal fator do aumento da dívida pública nos últimos dois anos, ainda na gestão Dilma Roussef.

    Orçamento 2017

    O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto de Almeida, afirmou que a aprovação da PEC vai obrigar o governo a reavaliar gastos e benefícios fiscais.

    “A gente vai ter de fazer um raio-x e debater cada item dos gasto público. O Brasil vai ser obrigado a ser mais eficiente com a aprovação da PEC. Vários programas estão sendo reavaliados”, afirmou, durante a audiência.

    Em relação ao Orçamento de 2017, afirmou que os números só devem estar fechados na próxima semana, mas que o governo vai reavaliar para cima a projeção de crescimento do PIB, conforme antecipou a Folha de S.Paulo no sábado (13).

    O governo interino projetava um crescimento de 1,2% do PIB (Produto Interno Bruto) no ano que vem e vai rever o número para até 1,6%, segundo o secretário. Mansueto disse que a média do mercado é um crescimento de 1,1%, mas que muitos bancos grandes e analistas independentes têm estimativas na faixa de 1,5% e 2%.

    “A se confirmar o processo de impeachment, e se aprovar a PEC do gasto, você vai ter um ano de muito otimismo no Brasil”, afirmou.

    Mansueto confirmou também que o governo estuda restringir o acúmulo de aposentadoria e pensão por morte, conforme reportagem da Folha de S.Paulo desta terça-feira, mas afirmou que é uma questão que está sendo tratada por outras áreas do governo.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.