i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Racha

Próximo ao governo, Picciani tentará se reeleger líder do PMDB na Câmara

    • Estadão Conteúdo Web
    • 26/12/2015 16:25
    Picciani vai encarar grupo pró-impeachment. | Luiz Alves/Câmara Federal
    Picciani vai encarar grupo pró-impeachment.| Foto: Luiz Alves/Câmara Federal

    Até então com discurso de que só decidiria sobre reeleição em 2016, o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), anunciou que disputará novamente o posto em fevereiro, quando estão previstas eleições de novos líderes partidários e presidentes de comissões permanentes na Casa. Uma das principais estratégias para se manter no cargo até lá e conseguir se reeleger será manter deputados do PMDB do Rio que estavam licenciados e retomaram os mandatos no início de dezembro para apoiá-lo.

    Após articulação com a cúpula do PMDB fluminense, considerada pró-governo, Picciani afirmou que os deputados Marco Antônio Cabral (filho do ex-governador do Rio Sérgio Cabral) e Pedro Paulo vão ficar no cargo pelo menos até o julgamento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara. Os dois ocupavam cargos em secretarias de Estado do Rio e da capital carioca, respectivamente, mas pediram exoneração para voltar à Câmara e apoiar a recondução de Picciani à liderança do PMDB.

    Picciani foi destituído do posto de líder do PMDB na Câmara após articulação de deputados da ala pró-impeachment do partido. Com o aval do vice-presidente da República e presidente nacional da legenda, Michel Temer, esses parlamentares apresentaram lista com 35 assinaturas, derrubando o deputado fluminense e indicando Leonardo Quintão (MG) ao posto. Oito dias depois, contudo, Picciani apresentou nova lista com apoio de 36 deputados do PMDB e foi reconduzido ao posto.

    Para retomar o posto, o parlamentar fluminense contou com ajuda direta do Palácio do Planalto. A presidente Dilma Rousseff escalou ministros do PMDB, como Kátia Abreu e Helder Barbalho, governadores e parlamentares aliados. Eles conseguiram convencer sete deputados peemedebistas que tinham apoiado Leonardo Quintão a mudarem de ideia e assinarem a nova lista que reconduziu Picciani ao posto. A estratégia dificultou a retomada da liderança da sigla na Casa pela ala pró-impeachment.

    À frente do movimento que tenta derrubar Picciani, os deputados Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) e Osmar Terra (PMDB-RS) já estão colhendo assinaturas para tentar reconduzir Quintão ao cargo de líder do PMDB. Eles contam principalmente com a saída de Marco Antônio Cabral e Pedro Paulo para conseguir retomar a liderança do PMDB na Câmara. “Quero ver até quando eles conseguem segurar os secretários aqui”, diz Osmar Terra. Eles apostam que os dois se licenciem dos mandatos durante o recesso.

    Para conter esse movimento, Picciani articulou a permanência de Cabral e Pedro Paulo na Câmara. “Eles vão ter que disputar a liderança comigo agora no voto em fevereiro”, diz o líder. Além de atrapalhar o movimento para derrubá-lo, Picciani dá mais uma demonstração de apoio a Dilma. Isso porque os parlamentares fluminenses são da ala do PMDB contrária ao impeachment e, ao se manterem no mandato, podem ajudar a petista a barrar o processo de afastamento na Câmara.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.