i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
funcionalismo

Recuo em reajuste salarial a servidores joga base aliada contra Richa

Poder Executivo expôs aos deputados que não tem condições de honrar promoções e progressões na carreira ao funcionalismo

  • PorEuclides Lucas Garcia
  • 04/07/2016 21:11
Deputados aliados se reuniram  nesta segunda-feira (4) com o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, para tentar encontrar uma solução. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Deputados aliados se reuniram nesta segunda-feira (4) com o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, para tentar encontrar uma solução.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Além da queda de braço que terá de travar com o funcionalismo público a respeito da reposição salarial de 2016, o governo do Paraná poderá enfrentar resistência dos próprios deputados da base aliada.

Parlamentares governistas já externaram ao Executivo insatisfação em votar qualquer projeto que revogue o acordo que pôs fim à greve dos professores no ano passado – e que valeu para todos os servidores. No momento, a única vantagem para o governo é ter até o fim do ano para encontrar uma solução para o imbróglio.

Conforme revelou a Gazeta do Povo na semana passada, o Executivo expôs aos deputados não ter condições de honrar promoções e progressões na carreira ao funcionalismo e, ao mesmo tempo, garantir o reajuste ao final do ano. Seria preciso optar por apenas um dos pagamentos.

O problema é que, além de as promoções e progressões já estarem em atraso há mais de um ano, o reajuste está previsto em lei aprovada pela Assembleia.

Conforme acordado com os professores em meio à greve do ano passado e após o fatídico episódio do dia 29 de abril, as perdas inflacionárias de 2016 serão pagas em janeiro de 2017 – quando os servidores também deverão ganhar um adicional de 1%.

Além disso, a reposição da inflação pelo IPCA de janeiro a abril de 2017 será paga em 1.º de maio do ano que vem – quando a data-base dos servidores voltará a ser em maio, e não mais em janeiro.

O clã de Ricardo Barros quer conquistar o Paraná

Leia a matéria completa

Sob a alegação do Executivo de que não há dinheiro em caixa para bancar os dois pagamentos, deputados aliados se reuniram no fim da tarde desta segunda-feira (4), na presidência da Assembleia, com o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, para tentar encontrar uma solução para o tema. O encontro, no entanto, terminou sem acordo.

“A maioria da base é contra fazer alterações na lei que definiu o reajuste. O sentimento geral é de perda de confiança nos números apresentados pelo secretário Mauro Ricardo [Costa, da Fazenda]. Não acreditamos que só há dinheiro para pagar uma coisa ou outra”, resumiu um parlamentar governista. “Além do mais, ninguém está à vontade de fazer qualquer alteração antes das eleições municipais.” O grande temor dos parlamentares é que um novo desgaste semelhante ao do ano passado, causado pela reforma da previdência estadual, possa prejudicar a campanha de aliados no pleito deste ano.

Questionado sobre o caminho que o governo deverá tomar, Rossoni minimizou as divergências com a base aliada e ressaltou o momento delicado por que passa a economia do país e, por consequência, a do Paraná. “A reunião com os deputados foi proveitosa. Todos sabem que temos de encontrar uma solução para não colocar as finanças do estado em dificuldade.”

Cobrança

Nesta segunda-feira (4), professores percorreram os gabinetes da Assembleia para pressionar os deputados a se posicionar contra a revisão do reajuste salarial de 2016 já previsto em lei. Na imagem abaixo, eles conversam com Hussein Bakri (PSD) e o presidente da Casa, Ademar Traiano (PSDB). Também fizeram protestos e entoaram palavras de ordem das galerias durante a sessão plenária.

Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.