Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
José Dirceu vai passar o Natal com a mãe, em Passa Quatro, Minas Gerais | Albari Rosa/ Gazeta do Povo
José Dirceu vai passar o Natal com a mãe, em Passa Quatro, Minas Gerais| Foto: Albari Rosa/ Gazeta do Povo

Condenados no processo do mensalão comemoraram ontem a decisão do presidente do STF, Joaquim Barbosa, de rejeitar o pedido de prisão dos réus. O ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, segundo sua assessoria de imprensa, ficou "aliviado".

O advogado do PT, Marco Aurélio Carvalho, que estava no apartamento do ex-ministro no momento em que ele soube da decisão, acrescentou que Dirceu recebeu com "equilíbrio e serenidade" a notícia. Ainda de acordo com o advogado, o ex-ministro ia respeitar e cumprir qualquer decisão que fosse tomada. Em seu apartamento, na capital paulista, José Dirceu está acompanhado de familiares e da namorada Ivanise Santos. Durante a manhã, segundo Carvalho, o petista, ao lado da família, escutou música popular brasileira.

A assessoria de imprensa de Dirceu informou também que ele deve viajar à cidade de Passa Quatro, em Minas Gerais, onde passará as festas de fim de ano com sua mãe. O plano inicial era de que o petista viajasse ontem, mas ele preferiu aguardar a decisão do STF.

O deputado João Paulo Cunha (PT-SP), também condenado, disse ter ficado "feliz e aliviado" com decisão de Barbosa. Segundo o seu advogado, Alberto Toron, João Paulo estava ontem apreensivo e temeroso de ir para a prisão às vésperas das festas de fim de ano. "Ele vai passar o Natal com sua família em casa, na periferia de Osasco (SP), como faz todos os anos", disse o advogado, que conversou com o deputado por telefone após a decisão. Toron disse "aplaudir publicamente" a decisão de Barbosa. "É a garantia em favor do cidadão pelo direito da presunção da inocência", afirmou o advogado.

Outro condenado, o ex-deputado e ex-presidente do PT José Genoino, disse antes da decisão de Barbosa que vem passando por "uma tortura psicológica" ao acompanhar o caso do mensalão. "Isso para mim está sendo uma tortura psicológica. Ainda mais numa época de Natal."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]