i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Paraná

TC arquiva pedido para suspender mudança na Paranáprevidência

Segundo o presidente, Ivan Bonilha, competência para declarar lei ilegal é apenas do STF

  • PorAmanda Audi
  • 15/05/2015 18:18
Na petição que foi recusada, o MPC pontuava que o projeto de lei foi aprovado de forma “abrupta, sem a adequada discussão e reflexão”. | Bruno Covello/Gazeta do Povo
Na petição que foi recusada, o MPC pontuava que o projeto de lei foi aprovado de forma “abrupta, sem a adequada discussão e reflexão”.| Foto: Bruno Covello/Gazeta do Povo

O presidente do Tribunal de Contas do Paraná (TC-PR), Ivan Bonilha, rejeitou, nesta sexta-feira (15), o pedido de suspensão da lei que alterou o regime previdenciário dos servidores estaduais.

Na avaliação de Bonilha, a lei estadual só poderia ser alterada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Neste caso, o TC não teria competência para tomar a decisão.

A medida cautelar havia sido proposta pelo Ministério Público de Contas (MPC) no último dia 8 de maio, e alegava que o projeto de lei era “inconstitucional, ilegítimo e ilegal” porque não preservava o equilíbrio financeiro e atuarial da previdência, conforme prevê a Constituição Federal.

“O acolhimento do pedido retiraria, em abstrato, a eficácia da lei em questão, o que só seria admissível pelas vias excepcionalmente autorizadas pela Constituição, o que não é o caso presente”, diz o texto assinado por Bonilha.

O MPC afirma que lamenta a decisão e estudará as medidas cabíveis a partir de agora. “O que podemos fazer se todos os poderes estão recebendo dinheiro? Vamos chorar para o bispo? O máximo que está ao nosso alcance é comunicar às autoridades competentes”, disse o procurador Gabriel Guy Léger.

Segundo Léger, o MPC irá comunicar a decisão ao Ministério da Previdência, ao Ministério Público Federal, a Ordem dos Advogados, Secretaria do Tesouro Nacional e aos senadores do Paraná, para que eles decidam o que poderá ser feito a partir de agora.

Na petição que foi recusada, o MPC pontuava que o projeto de lei foi aprovado de forma “abrupta, sem a adequada discussão e reflexão”. “A evidente pretensão [do governo do Paraná] é se apropriar dos recursos do fundo de previdência”, dizia o texto.

Segundo o regimento interno do TC, o presidente deveria enviar a medida cautelar para o corregedor do tribunal, Durval Amaral, que então decidiria por acatar ou não o pedido. Bonilha, porém, alegou que tomou a decisão “excepcionalmente” por causa do caráter de urgência do pedido.

Para o MPC, a urgência era devido à “irreversibilidade do dano à integridade do Fundo Previdenciário”, porque a alteração na lei causaria diminuição “imediata e iminente” dos recursos que deveriam permanecer na poupança dos servidores.

Aprovada no dia 29, na polêmica votação que provocou a “batalha” do Centro Cívico, a Lei 17.435 repassou à Paranaprevidência a responsabilidade de custear as aposentadorias de todos os servidores com mais de 73 anos. A grosso modo, isso significa que a contribuição dos servidores de hoje pagará grande parte dos aposentados de hoje – e não haverá dinheiro para amanhã.

Assim, o governo deixará de gastar R$ 140 milhões por mês, agora, mas terá um comprometimento de caixa muito maior no futuro. A solvência do fundo foi estimada em pouco mais de 30 anos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.