Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado

O vice-presidente Michel Temer (PMDB) minimizou nesta quinta-feira (7) as atuais dissidências locais em seu partido e disse não acreditar em rompimento da aliança nacional com a presidente Dilma Rousseff e com o PT.

"Não creio [em rompimento]. Eu vou esperar, naturalmente, a convenção. Ela é soberana, o que ela decidir, acompanharei. Mas eu não creio que haja que uma distensão muito grande na convenção", disse Temer após palestra a empresários do setor imobiliário, na qual defendeu as políticas econômicas de Dilma. "O partido vai sair fortalecido [da convenção]. Eu compreenderei as eventuais dissidências que se verificarem no PMDB porque não é em relação ao PMDB nacional ou à minha figura como vice-presidente, são locais", afirmou.

Reportagem da Folha de S.Paulo desta quinta-feira (5) mostrou que Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves (PSDB), adversários de Dilma, têm estimulado dissidências do PMDB mirando a aliança nacional do partido com o PT, o que garante larga vantagem a Dilma no horário eleitoral na televisão. A convenção da sigla está marcada para 10 de junho, na qual será votada a manutenção da aliança.

Na fala aos empresários, Temer defendeu políticas dos governos petistas como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida e disse que não há motivo para pessimismo no Brasil. O vice-presidente disse acreditar que não haverá grandes diferenças nos resultados econômicos de acordo com o resultado das eleições. "Quem quer que seja eleito -claro que esperamos que sejamos nós- e mais uns anos e vocês verão que não havia razão para pessimismo", afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]