i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

A Protagonista

Foto de perfil de A Protagonista
Ver perfil

Consulta encaminhada ao TSE pode definir candidaturas de Lula e Bolsonaro

  • PorThaísa Oliveira
  • 25/05/2018 19:24
(Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo)
(Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo)| Foto:

Após consulta encaminhada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os ministros da Corte devem se manifestar sobre a possibilidade de um réu na Justiça Federal se candidatar à presidência da República: situação dos dois pré-candidatos líderes nas pesquisas de intenção de voto ao Planalto.

Condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão, o ex-presidente Lula (PT) é réu em outros seis processos no âmbito das operações Lava Jato e Zelotes. Já o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), primeiro lugar nos cenários sem Lula, é réu em dois processos no Supremo Tribunal Federal (STF), por injúria e apologia ao estupro.

LEIA MAIS: Com candidatos em comício, TSE diz que vai criar critérios objetivos sobre pedido de votos

A dúvida foi encaminhada em março pelo deputado federal Marcos Rogério (DEM-GO). As consultas eleitorais podem ser feitas por qualquer parlamentar e obrigam os ministros do Tribunal a se manifestar sobre o questionamento.

O ministro relator, Napoleão Nunes Maia Filho, defendeu que a consulta não fosse sequer analisada no Tribunal, mas o Ministério Público Eleitoral (MPE) considerou que a dúvida era legítima (PDF).

Nunes entendeu que a consulta dizia respeito à situação do ex-presidente Lula e argumentou que, neste momento pré-eleitoral, os ministros só podem discutir teses, e não casos concretos de possíveis candidatos.

Marcos Rogério diz que levantou a dúvida após uma ação levada pela Rede ao STF, que discute se réus em ações penais federais podem substituir o presidente da República ou o vice-presidente caso os cargos fiquem temporariamente vagos. O julgamento foi suspenso em fevereiro do ano passado após pedido do ministro Gilmar Mendes.

“A mesma lógica [da ação do STF] serve para a questão eleitoral: quem é réu pode ser candidato? Sendo eleito, pode assumir? A resposta do TSE terá impactos gigantescos. Ela evita que um candidato saia em campanha, se eleja e, lá na frente, possa não assumir a Presidência da República”, afirma. “E não só o Lula que é réu.”

Veja a consulta encaminhada pelo parlamentar:

1) Pode um réu em ação penal na Justiça Federal candidatar-se à Presidência da República?
2) Em caso de resposta positiva à pergunta anterior, caso eleito e perdurando a condição de réu, ele poderá assumir o mandato de Presidente da República?
3) Em caso de resposta positiva às indagações anteriores, pode um réu em ação penal na Justiça Federal, em razão de denúncia de supostos crimes cometidos no exercício da Presidência da República, em mandato anterior, candidatar-se à Presidência da República?
4) Em caso de resposta positiva à pergunta anterior, caso eleito e perdurando a condição de réu, ele poderá assumir o mandato de Presidente de República?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.