i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

A Protagonista

Foto de perfil de A Protagonista
Ver perfil

‘Politicamente correto é uma mentira institucionalizada’, critica o publicitário Ênio Mainardi

  • PorThaísa Oliveira
  • 17/02/2018 20:50
O publicitário e escritor Ênio Mainardi em entrevista ao blog A Protagonista
O publicitário e escritor Ênio Mainardi em entrevista ao blog A Protagonista| Foto:

Definindo a si mesmo como um “grosso sincero”, o publicitário e escritor Ênio Mainardi defende que o politicamento correto é um “monumento à covardia”. “O politicamente correto é uma mentira institucionalizada. Quem produz essa cartilha de coisas que podem ser feitas ou não são pessoas que não dizem isso explicitamente”, critica.

Em entrevista à Protagonista, o publicitário afirma que o debate público está contaminado pela crítica vazia e diz que o politicamente correto tem sido usado de forma política para “conferir valores a coisas que não existem”.

LEIA MAIS: ‘Quem move um processo por uma piada atrasa a justiça brasileira’, diz Jacaré Banguela

Você vê os discursos dos políticos e ‘politicamente correto’ é a frase automática. O político que está ali para ganhar votos não pode se arriscar a ser inteligente. A esperteza do homem político é navegar conforme a onda. Ele não se dispõe a, chocando ou não, fazer as pessoas pensarem. ‘De onde veio o machismo? De onde veio a paixão sexual do pai pela criança?’

Com críticas ao presidente Michel Temer, Mainardi diz que o povo precisa de um “poderoso chefão” e declara apostar suas fichas no deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) — pré-candidato ao Planalto. Para ele, o debate público alavancado pela Internet tem suscitado novas expectativas em relação aos políticos e há uma crescente rejeição social ao “desempenho vulgar”.

Você vê o Temer falando e ele não se esforça para ser original. Tanto faz. Ele está ali para dizer lugares comuns e a barra dele está limpa. Essa é a forma mais vergonhosa de acusar o público de ser ignorante, de ser grosso e de aceitar qualquer merda.

“Quando se fala em politicamente correto, imediatamente vem à minha cabeça as ‘feminazis’, que são a contradição violenta ao machismo. A vontade de ser copartícipe no progresso da humanidade não existe. É só a crítica pesada, desagradável e não compensável pela sensibilidade ou o exercício de raciocínio. Acho que foi Buda quem disse: ‘Eu perdoo você, mas vou te processar’. Essa é a sabedoria perfeita”, ironiza.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.