i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

A Protagonista

Foto de perfil de A Protagonista
Ver perfil

Professores de Direito questionam manobra do governo para votar Previdência durante Intervenção no Rio

  • PorThaísa Oliveira
  • 16/02/2018 22:36
Brasília - Presidente Michel Temer durante cerimônia de assinatura de decreto de intervenção Federal no estado do Rio de Janeiro, no Palácio do Planalto (Beto Barata/PR)
Brasília - Presidente Michel Temer durante cerimônia de assinatura de decreto de intervenção Federal no estado do Rio de Janeiro, no Palácio do Planalto (Beto Barata/PR)| Foto:

Embora o governo tenha reiterado que a votação da Previdência poderá ocorrer durante a intervenção federal no Rio de Janeiro, especialistas afirmam que apenas a revogação do decreto ou uma “intervenção branca” abririam brechas à inserção de emendas à Constituição Federal (CF 88). Diferentemente do que ocorreu nesta sexta-feira (16), a “intervenção branca” é feita sem a assinatura de decretos — garantindo, de modo informal, que a União assuma funções pontuais nos estados.

Segundo o especialista em Direito Processual Dário Jr., a manobra foi usada por Fernando Henrique Cardoso para que as tramitações de Propostas de Emendas Constitucionais (PEC’s) não fossem paralisadas.

LEIA MAIS: Quem é o general que vai comandar a intervenção federal no Rio de Janeiro

“Após a CF de 88, nós já tivemos intervenções da União nos estados em virtude de caos financeiro e problemas administrativos. Foi o que ocorreu em Alagoas e no Espírito Santo em meados dos anos 2000 durante o governo FHC. A União assumiu algumas áreas administrativas, mas sem que se decretasse, expressamente, a intervenção. Aquilo foi chamado de intervenção branca porque, formalmente, não se chegou a publicar um decreto de intervenção.”

Segundo Dário, apenas a revogação do decreto poderia garantir a tramitação da Reforma, já que a CF não respalda a suspensão da intervenção para votações do Congresso Nacional no período. “Ao falar que a Constituição não pode ser emendada, ela diz que o processo legislativo para emendas à Constituição não pode ser realizado. Não faz sentido iniciar o processo legislativo, pautar e promulgar depois de 31 de dezembro, quando se encerra o decreto”, defende.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.