Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
(Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)
(Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)| Foto:

Uma pesquisa DataFolha revelou que a grande maioria da população é favorável à redução da maioridade penal, como você já leu aqui na Gazeta do Povo mais cedo. Mas será que a dose da substância que o Congresso pretende colocar em discussão é remédio ou veneno? Procuramos a professora de Direito Penal da USP Janaína Paschoal, que lida no dia-a-dia com esses casos.

Na prática, os adolescentes cumprem penas maiores que os adultos pelos mesmos crimes. Isso não sabemos se a população tem conhecimento.

Na maior parte dos casos, a punição dispensada aos adolescentes é mais firme, mais significativa do que aquela dispensada aos adultos.

Janaína Paschoal explica com a referência básica dos que desviaram bilhões durante a Lava Jato.

É raro alguém ficar 3 anos preso na íntegra, já com relação ao adolescente não é raro que alguém fique 3 anos internado.

A advogada cita ainda outro ponto: quem é que manda nos presídios?

Nós daremos mão-de-obra barata para o crime organizado. Hoje em dia ninguém nega que os presídios estão dominados pelo crime organizado. Jogar adolescente lá é só piorar, no longo prazo a situação da Segurança Pública… ou melhor, da INsegurança Pública

Dos projetos que hoje tramitam no Congresso, ela é favorável a uma análise para que se dê tratamento duro a quem não tem condições de ressocialização por agir com crueldade e atentar contra a vida, a questão deve ser a periculosidade.

Sou totalmente contrária a uma redução genérica da maioridade penal e um aumento do prazo de internação de maneira genérica.

Todas as últimas grandes modificações penais vendidas pelos parlamentares como solução foram tiros que saíram pela culatra. A lei dos crimes hediondos aumentou todos eles. O aumento da pena por estupro diminuiu em média em 50% a pena final dos estupradores.

Mas nós, brasileiros, continuamos acreditando em bravatas mais do que em matemática. Janaína Paschoal defende que sejamos pragmáticos ao falar de Segurança Pública.

Eu sei que a população tem outra expectativa, porém, eu sei, pela minha experiência eu entendo que essa expectativa na verdade não confere com o que uma medida como essa traria em termos práticos.

Para a advogada, o que deve ser feito é aumentar o prazo de internação, com o adolescente separado dos adultos, no caso de crimes graves.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]