Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Freepik.com
Foto: Freepik.com| Foto:

Uber, patinetes elétricos, planos de saúde, telefonia. Muitos são os setores, permeados pela inovação, mas que necessitam de regulamentação para funcionar. Mas como fica a relação entre o inovador e o Estado? E a burocracia?

Vicente Bagnoli, conselheiro do Instituto Brasileiro de Estudos de Concorrência, Consumo e Comércio Internacional (Ibrac), explica que a novidade, algo que não existia, demanda preparo para lidar com a nova situação ou desafio. "O Estado não pode querer regular tudo, desde o início, senão inviabiliza a inovação. O segredo é saber como regular. É mais jeito que força", diz.

A questão é saber o que é necessário para garantir o convívio harmônico na sociedade, viabilizar saúde, segurança e competição entre os concorrentes. "Para a sociedade isso é bom, mas como ofereço? O mercado não dá conta por si. Ele se regula, mas o mais forte vai prevalecer e oprimir o mais fraco", acrescenta Bagnoli.

Confira a entrevista completa com Vicente Bagnoli, conselheiro do Ibrac, ao programa 'A Protagonista'.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]