i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

A Protagonista

Foto de perfil de A Protagonista
Ver perfil

Resposta de Bolsonaro a acusações é elogiar Donald Trump

  • PorMadeleine Lacsko
  • 13/12/2017 12:15
Resposta de Bolsonaro a acusações é elogiar Donald Trump
| Foto:

Nunca antes na história desse país tivemos uma campanha eleitoral tão longa, a despeito de todas as discussões e decisões oficiais que diminuíram o tempo de campanha. O Brasil é este país oficial que funciona no papel e sobre o qual as autoridades costumam discursar, o Brazyl é este sarapatel de coruja no qual vivemos nosso dia-a-dia.

Apesar do discurso oficial e de decisões do TSE dizendo que a campanha só começa em julho do ano que vem, sabemos que as Eleições 2018 já estão de bandeira em punho nas ruas, com candidatos correndo o país atrás de votos, movimentando as redes sociais e formando muito mais do que bases eleitorais: times.

Marca-se o julgamento de Lula e surge a reclamação de que a Justiça foi rápida demais. Vou até escrever de novo: a Justiça foi rápida demais. Um processo contra um ex-presidente, o maior líder de massas da nossa história, que se arrasta há anos e com ele o ânimo político e o fígado do país, é RÁPIDO DEMAIS.

Alimentados pela soberba e pela cegueira da esquerda que se crê dona dos pobres e das virtudes, Geraldo Alckmin e Jair Bolsonaro vêem suas candidaturas dispararem e, cada um a seu modo, diametralmente diferentes, vão abocanhando o quinhão que lhes cabe. Note-se: quase UM ANO antes das eleições.

Apertaremos o botão da urna eletrônica para sacramentar a existência de um país no papel e outro na realidade, uma campanha que existiu formalmente e outra que realmente houve, a infinita, de mais de um ano, que provocou brigas de amigos, em churrascos familiares e mesas de bar.

E é nessa campanha real que surge um fenômeno curioso, que talvez algum dia seja desvendado ou acabe trancafiado para sempre na caixinha do “jamais saberemos”: as denúncias absurdamente antecipadas contra Jair Bolsonaro.

A candidatura de Jair Bolsonaro é aquela em que as esquerdas brasileiras mais gastaram energia até o momento. Foi semeada por uma gestão autoritária e atabalhoada da briga com a deputada Maria do Rosário e inflada a cada demonstração de fé no monopólio da verdade.

O deputado, apesar da longa história parlamentar e da votação consistente, suficiente para alavancar a carreira política da família toda, só obteve o respeito dos intelectuais de plantão quando foi impossível ignorar sua força nas pesquisas eleitorais.

As tentativas de enfrentá-lo com a empáfia tradicional da intelectualidade de apartamento do Brazyl de classemédiaalta resultam no que Ulisses Guimarães chamava de político clara de ovo: quanto mais bate, mais cresce.

Eis que surgem, quase um ano antes das eleições, as denúncias contra um candidato que não é candidato de uma corrida eleitoral que ainda não começou. Vêm em enxurrada: disse na TV que apoiava tortura, documentos mostram que empregou parentes, gravou vídeo dizendo que admirava Hugo Chávez, militar como ele.

Em vez de rebater diretamente as acusações, uma a uma, como faria um parlamentar, Jair Bolsonaro saca do bolso o presidenciável e espalha um vídeo onde discursa a favor da ação de Donald Trump reconhecendo Jerusalém como capital de Israel.

O deputado, há algum tempo, chegou a postar um vídeo onde fez uma cena simbólica de batismo por imersão no Rio Jordão com um líder evangélico – ele é católico. Viajou por Israel, tem relações com o governo do país. É interessante notar que, na hora do jogo rasteiro, fez a opção de rebater para cima.

Na campanha que oficialmente não começou, Jair Bolsonaro toma uma posição e um lugar de fala de presidenciável em consonância com o que pensa boa parte do time de seguidores que conquistou nas redes sociais.

Estamos testemunhando a inauguração de um novo estilo de marketing político, a história feita dia-a-dia em frente aos nossos olhos, o tempo todo. A grande questão é saber de que forma isso vai contribuir para melhorar o futuro do nosso país.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.