i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Alexandre Borges

Foto de perfil de Alexandre Borges
Ver perfil

O ódio da máquina

  • Por Alexandre Borges
  • [15/09/2020] [18:22]
Fim da classe média: retrato do filme Indústria Americana (Netlfix)
Fim da classe média: retrato do filme Indústria Americana (Netlfix)| Foto: Divulgação

Ninguém pode me acusar de qualquer simpatia por Barack e Michelle Obama, mas é preciso confessar dois prazeres que o primeiro documentário da produtora do casal propiciou: vencer o revisionista “Democracia em Vertigem” no último Oscar e ser uma história muito bem contada, econômica na linguagem e com raras e perdoáveis pedaladas ideológicas.

“American Factory” (Indústria Americana, 2019), disponível no Netflix, é um retrato de um país sequestrado pelas elites progressistas e seus barões corporativos das últimas décadas que, sem a menor cerimônia, promoveram uma brutal desindustrialização do coração da maior economia do mundo, causando uma crise social sem precedentes em regiões depois rotuladas pejorativamente de “cinturões da ferrugem”.

O darwinismo social incensado por estes industriais progressistas é a essência do indispensável “O fim da classe média: A fragmentação das elites e o esgotamento de um modelo que já não constrói sociedades”, do geógrafo francês Christophe Guilluy, que oferece uma das leituras mais acuradas e lúcidas das transformações dos últimos trinta anos e que levaram ao momento “nacional-populista” da política atual.

Guilluy mostra, com argumentos que transformam em pó equívocos recentes como o best-seller “Como as democracias morrem” (Steven Levitsky e Daniel Ziblatt), a criação deliberada de excluídos econômicos e sociais nas principais democracias ocidentais, numa ação que ainda inclui a importação indiscriminada de imigrantes de baixa qualificação para disputar, com salários ainda mais baixos, os empregos cada vez mais escassos nos setores exportados por essas elites principalmente para a Ásia.

Em “Protegidos e Desprotegidos”, mostrei como os termos esquerda e direita já não definem com precisão a divisão política causada pela clivagem que separa as elites progressistas urbanas e a tradicional classe média de seus países de origem e que tanto desprezam. Em “A Volta dos Deploráveis”, evidenciei o ódio confesso destas elites e seus intelectuais pela classe média, a mesma que começou a reagir, por puro e legítimo instinto de sobrevivência”, a partir de 2016.

A consequência deste processo histórico recente é a criação de uma classe média que disputa empregos cada vez mais raros, achatada pelo desemprego estrutural e obrigada a barganhar ocupações com remunerações ainda menores pela competição com imigrantes que topam tudo pela oportunidade de viver nas principais democracias do mundo.

Como se tudo isso não bastasse, estas mesmas elites, num raro papel social de inimigos da população de seus países de origem, passam a incentivar que seus representantes na política e na indústria cultural humilhem a classe média como “xenófoba, racista, ignorante, cafona e raivosa”, uma espécie de entulho de um tempo que não volta mais.

É uma gente trabalhadora e que construiu a América, operários muito bem retratados em “American Factory” e que são vistos por estas elites progressistas como um incômodo a ser descartado, velhos saudosos dos antigos empregos da mítica indústria automotiva americana do século passado.

Incapazes de se adaptar as condições impostas pelos parceiros chineses importados por estas elites, são peões num tabuleiro que quer utilizar seus últimos movimentos antes de tirar todos do jogo, substituindo por jovens importados para aceitar o triplo da carga horária por um terço do salário e em condições precárias de segurança e saúde.

Em “O fim da classe média”, Guilluy assume o tom de denúncia que a seriedade que o tema merece e aponta o dedo para os culpados certos. “American Factory” é um retrato hiper-realista de uma realidade cruel mas evita ao máximo se posicionar, mesmo que sua simpatia pelo declínio americano em nome de um mundo que volte, senão à multipolaridade, ao menos a um protagonismo da China, uma ditadura dirigista que povoa os sonhos das mentes progressistas mais autoritárias.

O mundo que “American Factory” promete não é bonito, como denuncia o geógrafo francês em sua obra que nasce clássica. Seu grito pelo fim da aniquilação lenta, cruel e criminosa das classes médias ocidentais, que não terá outra consequência senão uma ruptura social que já se iniciou, merece ser levado a sério por quem ainda tem um pouco de responsabilidade e compaixão.

A classe média sabe que está sob ameaça de extinção e não vai morrer sem, ao menos reagir.

Que as mentes mais sãs possam ajudar a evitar uma nova “rebelião das massas” que tanto mal causou ao século passado. As elites progressistas, tão preocupadas com as “máquinas do ódio”, precisam começar a olhar para o ódio da máquina. Ainda é tempo.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 10 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Mauricio Conde

    ± 4 dias

    Ótimo texto. Mas esta realidade de importação de mão de obra barata ainda não chegou aqui. Ainda. O que temos aqui é o achatamento da classe média pelo patrimonialismo e corporativismo da elite do funcionalismo público. É um mamute lento e pesado que suga os cofres estatais, impedindo produção de riquezas e empregos por parte dos empreendedores.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Wendell

    ± 4 dias

    Perfeito... Mas nossos progressistas são políticos, procuradores, promotores, artistas e juízes, que, vivendo do Estado, não querem perder as boquinhas proporcionadas pelo trabalho da classe média, que tanto odeiam...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Wendell

    ± 4 dias

    Perfeito... Mas nossos progressistas são políticos, procuradores, promotores, artistas e juízes, que, vivendo do Estado, não querem perder as boquinhas proporcionadas pelo trabalho da classe média, que tanto odeiam...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Roberto A Barros Jr

    ± 4 dias

    Obrigado pelas referências! Busco bases que consigam explicar, com Bons argumentos, tudo que vejo no mundo atual. Parece que vc mostrou o caminho. Vou ler e depois comento mais. Jeep up!!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eden Lopes Feldman

    ± 4 dias

    Excelente e inteligente análise do fenômeno da transferência da industrialização para países com gargalos sociais. Colocaria a Índia aí também. Estes países não conseguem evoluir socialmente a sua população, e os colocam em um jogo brutal de escravagismo operário. e para surpresa de qualquer um com bom senso, apoiados pela elite progressista......que defende "a humanidade" e os "direitos humanos" defendendo a "imigração descontrolada". . Dá para entender?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlos

    ± 4 dias

    Perfeito, Alexandre. Nós só queremos viver sob os valores passados pro nossos pais e avós. Trabalhar, constituir família, adquirir um patrimônio honestamente, professar nossa fé . Nós chamaram de racistas, nazistas, fundamentalistas dentre outros objetivos com o nítido propósito de intimidação por muito tempo. Agora não nos calam mais.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Dimas N

    ± 4 dias

    Ótima matéria, uma síntese interessante .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Carlos Carvalho

    ± 4 dias

    Muito cuidado com os chineses ,eles querem nos dominar e destuir nossas economias ! Querem o Brasil ,EUA e Argentina só produzindo alimentos para eles e nós como seus escravos !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Saber é poder

    ± 4 dias

    Aristóteles Weber e Rosenzweig defendiam a classe média. Agora, uma súcia escumalha tenta destruir.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Pedro Castro

    ± 4 dias

    Progressistas estão destruindo os países de tradição judaico cristão ocidentais! Mais alguns anos nesta toada e estaremos debaixo do pezão de ditaduras totalitárias à lá China!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.