i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Blog da Vida

Ver perfil

Jovens mais pró-vida fazem índice de abortos nos EUA despencar

  • PorJônatas Dias Lima
  • [23/06/2015] [19:09]
Jovens mais pró-vida fazem índice de abortos nos EUA despencar
| Foto:

Divulgação/Students for Life

 

Recentemente o jornalista Jeff Jacoby usou sua coluna no Boston Globe para tratar da queda no número de abortos registrados nos Estados Unidos. Partindo de dados da Associated Press, provenientes de 45 estados, ele diz que a taxa nacional de abortos vem baixando desde os anos oitenta, mas a partir de 2010 essa queda tem se dado de modo muito mais acentuada.

Uma das explicações para o fenômeno seriam as leis estaduais aprovadas nas últimas décadas, que restringiram a prática e fecharam clínicas de aborto em todo o país, mas essa tese não esclarece tudo.

Alguns dos decréscimos mais significativos ocorreram em estados que não chegaram a implantar nenhuma medida restritiva, como o Hawaí, onde a queda no número de abortos foi de 30%, ou Nevada e Rhode Island, queda de 22%, ou ainda Connecticut, 21%.

Jacoby destaca outro recorte. Quando se analisam os resultados por faixas etárias, nota-se que as adolescentes são as principais responsáveis pelo decréscimo (-66%, desde 1988), o que combina bem com outro dado bastante conhecido pelos norte-americanos: a nova geração é mais pró-vida do que a anterior. De 1991 até 2010, os jovens que se declaram favoráveis ao aborto legal sem restrições caiu de 36% para 24%.

Esses jovens, diz o jornalista, formam a geração que cresceu assistindo às tristes imagens de abortos e suas consequências. “A muitos, a destruição voluntária de uma vida no ventre materno lhes parece não tanto um ato de ‘liberdade reprodutiva’, mas sim de violência contra uma vítima inocente. Todos conhecem alguém que abortou legalmente. Basta olhar para o espelho para ver a alguém que poderia ter sido abortado legalmente”.

Jacoby conclui: “Em certo sentido, todo norte-americano nascido desde 1973 é um sobrevivente de Roe [diminutivo do nome dado ao caso jurídico que resultou na legalização do aborto em todo o país]. Talvez isso explique porque, independentemente de como os jovens se definam, o aborto é uma decisão que tão poucos estão dispostos a tomar”.

***

Curta a página do Blog da Vida no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.