i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Blog da Vida

Ver perfil

Na Coreia do Sul, papa visita cemitério de bebês abortados

  • PorJônatas Dias Lima
  • [19/08/2014] [00:01]
Francisco diante do cemitério de bebês abortados, em Seul, Coreia do Sul.
Francisco diante do cemitério de bebês abortados, em Seul, Coreia do Sul.| Foto:
Francisco diante do cemitério de bebês abortados, em Seul, Coreia do Sul.

Francisco diante do cemitério de bebês abortados, em Seul, Coreia do Sul (foto: Reuters)

O papa Francisco fez questão de marcar sua visita à Coreia do Sul com um silencioso e significativo protesto contra os altos índices de casos de aborto que ocorrem naquele país. Conforme informaram as agências internacionais, o pontífice foi a um cemitério de bebês abortados localizado dentro de um centro de apoio a incapacitados em Seul.

Francisco deteve-se em silêncio no jardim chamado Taeahdongsan, um terreno com centenas de cruzes de madeira pontadas de branco, representando os não-nascidos. O texto da agência espanhola EFE informa que, embora a lei coreana estabeleça diversas limitações ao aborto, a fiscalização praticamente não existe, resultando em milhares de mortes ocorridas em clínicas de aborto que anunciam seus “serviços” livremente. O texto cita dados de 2005, quando foram praticadas 340 mil abortos contra 440 mil nascimentos.

O cientista social norte-americano Steven Mosher, especialista em demografia e presidente do Population Research Institute, escreveu sobre a visita de Francisco e sobre os vergonhosos números que o próspero país asiático ainda precisa superar. Segundo Mosher, a prática do aborto passou a ser incentivada no país no final da década de 60, quando a Coreia do Sul ainda sofria com as consequências da guerra contra a Coreia da Norte e cedeu à forte pressão dos Estados Unidos, seu principal aliado militar, para tomar medidas de controle populacional.

Hoje, meio século depois, parece haver no país a consciência de que o radicalismo no controle de natalidade foi um erro:

“A taxa de natalidade sul-coreana, de apenas 1,25 filhos por mulher, está entre as mais baixas do mundo. A população da Coreia do Sul está envelhecendo rapidamente; a força de trabalho está diminuindo e a população já começou a declinar.

Diante de tais números desalentadores, que pressagiam uma espécie de suicídio nacional gradual, o governo inverteu a política: agora, o país não só abandonou o limite de dois filhos como oferece incentivos para que as famílias tenham mais crianças. Além disso, o governo está começando a reprimir os abortos ilegais”.

Leia a íntegra do artigo de Steven Mosher.

***

Curta a página do Blog da Vida no Facebook.

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.