i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Blog da Vida

Ver perfil

Seminário de Biopolítica: um impulso para sair do comodismo

  • PorJônatas Dias Lima
  • 05/12/2013 19:02
Seminário de Biopolítica: um impulso para sair do comodismo
| Foto:
seminario

Professor Felipe Ney, à esquerda, e padre Paulo Ricardo de Azevedo, à direita, respondendo a perguntas dos participantes.

Somos mais numerosos do que antes, mas ainda pouco dedicados e com menos recursos do que os disponíveis aos batalhões de engajados ideológicos que querem a legalização do aborto no país. Essa foi, sem dúvida, uma das conclusões compartilhadas por todos os participantes do Seminário de Biopolítica que ocorreu no último domingo, 1º de dezembro, no Santuário da Divina Misericórdia.

Há anos acompanho as discussões nas quais se envolve o movimento pró-vida, e foi com muita satisfação que presenciei o evento. Pela primeira vez, vi um salão lotado com centenas de participantes, em Curitiba, ouvindo e debatendo assuntos que normalmente são objetos de discussão apenas na internet, ou restrito a pequenos grupos. No sentido de ser um impulso para ações com mais determinação, o seminário foi muito bem sucedido. Por isso faço questão de parabenizar publicamente o padre Sílvio Roberto, um dos responsáveis pela vinda do seminário à cidade.

Os palestrantes abrangeram uma variedade de temas que foram muito além da proteção da vida humana desde a concepção. Apresentaram, por exemplo, quais são as fundações internacionais a financiar pessoas, escritórios e pesquisas acadêmicas cujo o objetivo é viabilizar a entrada de clínicas de aborto no país. Tudo devidamente comprovado com documentos emitidos e informações divulgadas pelas próprias fundações. Sustentação razoável o suficiente para incomodar os mais desconfiados, aqueles que tendem a rotular tudo que acham estranho como teoria da conspiração.

Também mostraram a vinculação entre as tentativas de legalização do aborto e a ideologia de gênero, termo que nas publicações dos ideólogos é algo muito diferente da justa luta porigualdade de direitos entre os sexos. O problema estaria na explícita e detalhada tática de enfraquecer a família natural enquanto instituição, tudo para moldar a realidade conforme seu projeto particular de sociedade ideal.  Trata-se de “engenharia social”, como mencionaram algumas vezes todos os palestrantes.

O mais enfático a animar ações mais efetivas por parte do movimento pró-vida foi o padre Paulo Ricardo. Segundo ele, enquanto legiões de abortistas dedicam seu tempo, seus recursos, sua produção intelectual e suas vidas inteiras à “causa”, a maior parte daqueles que se dizem pró-vida se contenta em votar em candidatos supostamente bons a cada quatro anos. “Temos nossos projetos de vida, nossa carreira, nossas preocupações pessoais e não queremos nos incomodar com isso”, lamentou o sacerdote.

A situação de maioria silenciosa no Brasil também foi comentada pelo professor Felipe Nery. Ele convidou os presentes a se empenharem no estudo dessas estratégias, das políticas já promovidas e dos projetos em andamento desses grupos. “É preciso conhecer e denunciar. As pessoas subestimam o valor das manifestações junto a seus representantes em Brasília, mas acreditem, essas ações funcionam”, disse Nery, que presta assistência voluntária a políticos que buscam instrução a respeito de temas envolvendo a família e a dignidade da vida humana.

Sobre a necessidade de amadurecimento do movimento pró-vida, o padre José Eduardo de Oliveira e Silva, da diocese de Osasco, afirmou que há muita gente despertando para a importância do assunto, mas que se acomoda com ações menos relevantes, como o compartilhamento de virais no Facebook, por exemplo. “O conhecimento ainda é difuso, há muita gente se brincando com o tema, mas poucos estudam e falam sobre esses problemas com as pessoas ao seu redor”.

Um imprevisto acabou deixando de fora do evento a mestre em Ciências e especialista em Biologia Celular Renata Gusson, do Instituto Adolfo Lutz (SP), que também faria uma palestra.

******

Quem esteve no evento e deseja receber por e-mail o material apresentado, ou até mais textos sobre biopolítica, pode entrar em contato com o professor Felipe Nery, presidente do Observatório Interamericano de Biopolítica pelos e-mails proffnery@hotmail.com ou biopoliticabr@gmail.com . Nesta  quinta-feira (05/12) também ocorre um hangout (tipo de videoconferência) no YouTube, com participação do professor, às 21h15.

****

Tive a oportunidade de almoçar com os palestrantes e com os anfitriões do evento e, como não podia deixar de ser, fiz uma entrevista exclusiva com o padre Paulo Ricardo. Em breve conto como foi, e também publico mais fotos.

***

Curta a página do Blog da Vida no Facebook.

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.