Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
As origens da festa de São João
As origens da festa de São João| Foto: Pixabay

É chegado o São João. Se você está no Nordeste, é época de comer amendoim cozido, milho, pamonha, cuscuz, soltar fogos, tomar licor de jenipapo, fazer fogueira e ouvir pelo menos Luiz Gonzaga. Se você não está no Nordeste, é época de ler esta coluna e descobrir que existem amendoim cozido e licor de jenipapo. Mas, esteja em qualquer parte do país, é época de olhar para essa festa popular e se perguntar: como é que ela pode caber na nova história oficial do país?

Afinal, existem áreas do Brasil cujas festas típicas compartilham a origem étnica da população. É o caso da Oktoberfest, por exemplo: o próprio nome já indica que é de origem alemã e a festa é popular em Blumenau, uma área cheia de descendente de alemão. O dia de Yemanjá, em Salvador, é outro exemplo: numa cidade cheia de descendentes do Golfo do Benim, cultua-se uma orixá daquela região. Mas e o São João?

No Hemisfério Norte, os europeus comemoram desde tempos imemoriais o solstício de inverno e o solstício de verão. Ambos foram cristianizados: o primeiro virou o Natal, aniversário de Jesus, e o segundo o São João, aniversário do Batista. Ambos têm em comum o fato de serem comemorados na noite da véspera: a ceia de natal acontece no dia 24, a festa de São João no dia 23. Vira-se a noite ceando em família e festejando ao redor da fogueira.

Midsummer

No entanto, o nome cristão da festa junina pegou mais entre os latinos: na França é Saint-Jean; na Espanha, San Juan; na Itália, há a notte de San Giovanni, embora de menor relevância. Em Portugal, tal como no Brasil, o São João tem muita importância numa área só: no Norte. No Porto o São João é importante; em Lisboa, não. Na parte mais europeia o São João importa, não na mourisca.

Os ingleses e os alemães também comemoraram bastante, embora o fanatismo protestante tenha minado a popularidade do St. John’s Fire. Ainda na época de Shakespeare, eles deviam ter uma memória da festa: a peça que conhecemos em português como “Sonho de uma noite de verão” é, em inglês, “A Midsummer Night’s Dream”, ou seja, o sonho de uma noite de São João. Já cruzando as fronteiras para a Escócia e o País de Gales a St. John’s Fire passa bem.

Mas mais forte do que em qualquer país latino europeu é o Midsummer comemorado pelos nórdicos, ainda com o nome pagão: Suécia, Finlândia, Dinamarca… São festejos importantes em que se acende uma fogueira gigante. Também comemoram o São João os povos eslavos.

Assim, na Europa, podemos fazer uma simplificação grosseira e dizer que, quanto mais branca e nórdica uma população, mais forte é o seu São João. Se a mesma regra valesse no Brasil, deveríamos procurar pelo São João no Sul e no Sudeste – jamais no Nordeste. Por que a festa nórdica do solstício de verão é tão comemorada no inverno do Hemisfério Sul, em pleno semiárido brasileiro, por uma população majoritariamente parda?

Os instrumentos

Outro recorte interessante de ser feito é o dos instrumentos musicais. Os sulistas e os nordestinos dão nomes diferentes ao acordeão. Nordestinos chamam de sanfona; sulistas, de gaita. Ambos são nomes de instrumentos mais antigos que o moderno acordão, inventado só no século XIX, na Alemanha. A sanfona mais antiga é este instrumento medieval aqui, uma viola esquisita tocada com uma manivela. Apesar do aspecto visual, vendo-o em uso percebe-se que é aparentado do acordeão.

A crermos nesta interessante matéria com velhinhos do Noroeste da Espanha, a sanfona era tocada pela elite medieval até chegar à mão dos plebeus no fim do século XV. Ou seja, na época da descoberta do Brasil, os sanfoneiros eram uma figura festeira comum na plebe europeia. O diferencial da sanfona, que a fez cair no gosto de tanta gente, é a capacidade de ter o som de vários instrumentos num só. Para dar uma festinha, bastava um músico.

Um dos sons que ela substituía (a crermos nos velhinhos espanhóis) é o da gaita, caracterizado pela continuidade. Por isso, a sanfona era chamada também de gaita, tal como no Sul do Brasil.

Que gaita é essa, de som contínuo? Nada a ver com aquela pequenininha do blues; é a gaita de foles, uma constante em locais de cultura celta. Tais como a Escócia, o Noroeste da Espanha e o Norte de Portugal. Vocês podem ver aqui portugueses tradicionalistas do Norte tocando música numa bandinha que lembra o trio nordestino. O mesmo grupo canta em dialeto mirandês e, tocando sanfona e um sino, lembra mais ainda o Nordeste.

De resto, o Sul de Portugal tem a concertina, que é mais parecida com um acordeão, mas foi inventada só no XIX também.

Parece razoável crermos que as sanfonas chegaram ao Brasil já no século XVI e foram substituídas por acordeões ou concertinas nos séculos XIX ou XX, com os brasileiros chamando o objeto novo pelo mesmo nome do antigo. Basta ficar sem luthier para perder a técnica da confecção de sanfonas. Então o instrumento desaparece, enquanto permanecem o nome (sanfona) e as melodias.

Recorte temporal

Tanto a festa do São João quanto a musicalidade junina têm raízes firmes e funda na Europa. Mas entender sua prevalência numa área povoada por gente de origem europeia: basta usarmos o recorte temporal. As regiões Sul e Sudeste foram bastante povoadas pela imigração europeia, que é recente, lá dos séculos XIX e XX. O litoral nordestino recebeu bem menos imigrante do que as regiões Sul e Sudeste, mas ainda assim é um local que atrai muito mais migração (seja do resto do Brasil, seja de outros países) do que o sertão, o semiárido.

O sertão nordestino é um local de onde as pessoas migram, não para onde migram. A exceção foi o começo do período colonial, quando chegaram jesuítas para catequizar índios e foram também portugueses pobres. O que não falta no semiárido é vaqueiro. Como o Norte de Portugal (aquela região de cultura celta) tem vaqueiros, é bem plausível que tenham atravessado o Atlântico e adentrado o sertão sem deixar de ser vaqueiros no Brasil, onde se casaram com índias. Mas continuaram comemorando o São João e tocando sanfona, e seus filhos pardos vêm fazendo a mesma coisa de geração em geração.

No frigir dos ovos, o semiárido brasileiro conserva muito da cultura europeia medieval, com suas xilogravuras, cordel, roupas de couro, códigos de honra, adagas, festividades e música. Só é incapaz de enxergar isso quem acha que raça e cultura são a mesma coisa.

gazetadopovo

28 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]