Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Detalhe de um pôster do Sendero Luminoso.
Detalhe de um pôster do Sendero Luminoso.| Foto: Reprodução/ Wikipedia

O Brasil tem um jeitão de ilha na América do Sul. Tal como os Estados Unidos, nós recebemos as notícias deste subcontinente como se não fizéssemos parte dele. Somos o contrário do México, que não pertence à América do Sul, mas recebe notícias dos países hispânicos em primeira mão, sem filtragem de agências internacionais. Isso tem uma explicação: historicamente, a população do Brasil se concentra na Mata Atlântica. Somos separados dos nossos vizinhos pelo deserto verde da Amazônia e pelo Cerrado outrora quase despovoado. A exceção é o Sul, que sempre manteve um intercâmbio intenso com a Argentina e o seu puxadinho, o Uruguai.

Assim, quando os brasileiros leem que o Peru ruma para o chavismo, tendem a dar de ombros e dizer que é só mais um país latino-americano seguindo a sua bananice. Mas, na verdade, a história recente do Peru – sobretudo da zona rural do Peru – tem um grande trauma do comunismo. Sabemos que países que passaram pelo comunismo ou por ditaduras de esquerda tendem a se tornar ferrenhos anticomunistas. Se fôssemos aos Estados Unidos procurar anticomunistas, apostaria minhas fichas nas comunidades cubana e venezuelana, em vez da população branca e protestante. Em São Paulo, também será mais fácil achar um anticomunista num abrigo para venezuelanos do que em Higienópolis.

Por que só o Peru tem um Vargas Llosa?

Enquanto a América do Sul sofria um surto de ditaduras militares de direita, havia duas exceções no subcontinente. Uma era a Venezuela, que elegia diretamente seus presidentes desde 1958 e era a democracia mais duradoura da região. A outra exceção era o Peru, que tinha a ditadura de esquerda do General Velasco Alvarado, presidente de 1968 a 1975.

Classe média não gosta de ser censurada por governo. Se um governo de direta virar censor, a classe média vai pender para a esquerda – e foi o que aconteceu no Brasil. No Peru, a ditadura censória era de esquerda. Não à toa, foi lá que brotou Vargas Llosa, um escritor respeitado, engajado em política, liberal clássico e candidato a presidente. A coisa mais parecida que temos no Brasil é Fernando Henrique Cardoso, um sociólogo uspiano cuja obra figura, ao lado de “As Veias Abertas da América-Latina”, como Bíblia do “Perfeito Idiota Latino-Americano”, livro, aliás, escrito pelo filho de Vargas Llosa em coautoria com um cubano e um colombiano.

O Peru é um Chile ao contrário: seus letrados rebeldes nutrem uma agitação liberal clássica. Já o Chile, não obstante a prosperidade material legada pelas reformas de Pinochet, no âmbito intelectual se parece com um grande DCE, uma versão mais radical da Argentina.

Então fiquemos assim: caso queiramos procurar uma classe média sul-americana tradicionalmente antiesquerdista, recorremos ao Peru.

Massacre vermelho de camponeses

Mas não é só a classe média urbana que tem motivos arraigados para ser antiesquerda. Muito pelo contrário.

Em 1979, o professor universitário de filosofia Abimael Guzmán se torna Gonzalo, autor do Pensamento Gonzalo, autodeclarado Presidente Gonzalo, marxista-leninista-maoísta. Em comunistês-da-década-de-setenta, ser “marxista-leninista” é feijão com arroz. O diferencial é o maoísta. Na prática, dizer-se maoísta implicava: 1) pedir auxílio financeiro a Pequim em vez de Moscou (se Pequim vai dar, é outra história); 2) acreditar que a revolução deve começar no campo em vez da cidade.

Trocando em miúdos brasileiros, menos Comando Vermelho, mais Guerrilha do Araguaia. (Embora os guerrilheiros do Araguaia, do PCdoB, tenham adotado o rótulo de hoxhaístas, albaneses, depois de Pequim se recusar a financiá-los. Ganharam da Albânia só uma transmissão de rádio que narrava para eles mesmos em português os seus gloriosos feitos na selva amazônica, como conta Hugo Studart em “Borboletas e Lobisomens”).

A organização guerrilheira fundada pelo Presidente Gonzalo chama-se Sendero Luminoso e conseguiu, inicialmente, conquistar a simpatia da população rural. No Peru, a população rural é de origem inca, pouco miscigenada e fala quéchua (a língua do Império Inca) em vez de espanhol. Quéchua é a língua cooficial do Peru e é a segunda mais falada do país.

Os limenhos (a população urbana, de Lima) não entendem patavina de quéchua. O incas já gostavam, também, de habitar regiões altas – cujo acesso não é fácil. Daí resulta que a infiltração do Sendero no campo contou com o isolamento linguístico e geográfico.

No entanto, comunismo é comunismo. E a oposição natural ao comunismo, em qualquer país onde tenha se instalado, é o campo. O agricultor nunca vai abrir mão espontaneamente da sua terra e de sua produção. Depois de ganhar a simpatia dos camponeses, o Sendero enfim impôs a coletivização das terras e o fim do dinheiro. Os camponeses só tinham paus e pedras. Um morticínio se seguiu.

Eis então que Lima resolve tomar providências e manda o Exército. Lá chegando, os militares não entendem patavina de quéchua nem sabem distinguir o índio senderista do índio resistente. Matam todo mundo indiscriminadamente.

A coisa muda de figura durante o governo democrático de Alberto Fujimori, com duas peças-chave: o General Huamán, de língua quéchua, e o economista liberal Hernando de Soto, autor de um livro bastante interessante sobre economia de favelas, traduzido para o português como “Economia Subterrânea”. O título em espanhol dá uma ideia melhor do que ele tinha em mente: “El Otro Sendero”, isto é, um outro caminho, diferente do Luminoso, para as populações indígenas que se aglomeravam na cidade e, a seu ver, faziam uma revolução capitalista.

A ideia do General Huamán, bem simples, era armar a resistência quéchua para acabar com o morticínio desastrado do Exército. A de Hernando de Soto era recompensar a resistência não só com armas, mas também com regularização fundiária. Soto reconhecia que os camponeses eram abandonados pelo Estado e compensava a luta deles com o império da lei. Armados, os camponeses quéchuas venceram eles próprios os senderistas, numa guerrilha sangrenta.

Foi isso o que causou a queda do Sendero Luminoso, e maiores detalhes podem ser lidos aqui . Depois, Alberto Fujimori deu o famoso autogolpe e essa façanha ocorrida em seu governo democrático ficou eclipsada.

E agora?

Se Keiko Fujimori, filha de Alberto, perdesse por causa da zona urbana, seria fácil explicar isso a partir da aversão causada pelos desmandos do seu pai na classe média letrada. Mas mesmo Vargas Llosa apoia Keiko. A derrota, se vier, será da zona rural, dos mesmos quéchuas que foram massacrados pelos senderistas e que depois os venceram na bala.

Será que Keiko tem razão em suas alegações de fraude? Ou será que os quéchuas aderiram mesmo ao capitalismo, acreditam nas promessas de Castillo de não acabar com a propriedade privada e esperam lucrar horrores com a sua produção cocaleira? Ou será as duas coisas ao mesmo tempo, havendo um cenário apertado entre cocaleiros e anticomunistas que pode ser decidido por fraude?

Ao que tudo indica, Castillo imita os passos de Chávez. Jaime Bayly, jornalista peruano residente nos EUA, fez este compilado de Chávez nos anos 90 e Castillo em 2021, com semelhanças tão grandes que devem ser mesmo deliberadas. Só discordo quando ele diz que ambos são comunistas. Como já expliquei aqui, Chávez bebe do neonazismo argentino. Assim, seriam muito bem fundadas as expectativas dos cocaleiros de não se acabar a sua propriedade privada. Aos “inimigos do povo” – e só a eles – as expropriações.

23 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]