Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Henry Milleo/Arquivo Gazeta do Povo
Foto: Henry Milleo/Arquivo Gazeta do Povo| Foto:

Nós últimos dias, entre outras polêmicas, surgiu um burburinho de que a prefeitura de Curitiba cogitava remover a Ponte Preta, na Rua João Negrão. Muitos ficaram chocados com essa possibilidade, já que se trata de um patrimônio histórico da cidade, memória dos tempos da estação ferroviária. O professor da UFPR e especialista em patrimônio histórico Key Imaguire chegou a divulgar  uma carta aberta contra a medida, mesmo sem o anúncio oficial pelo município.

Com certa lentidão – o que só deu mais impressão de veracidade à história toda –, representantes do prefeito negaram a possibilidade, afirmando que tudo não passava de “boato”. No fim, o próprio prefeito, nas redes sociais, veio afirmar seu compromisso com a cultura e o patrimônio histórico, afirmando ser vítima de “neobárbaros”.

Embora o prefeito se queixe dos boatos, o fato é que a própria apatia da gestão é que dá margem a esse tipo de situação. Se o governo tivesse uma proposta clara para os diversos setores da gestão, seria mais fácil considerar que esta ou aquela medida seriam impensáveis no mandato do prefeito.

Mas é fato que, além de não ter um programa claro, a gestão Greca tem tomado algumas medidas que desafiam a popularidade. Polêmico, mas sem visão geral, de cidade e de futuro. O cenário é sugestivo para tomar uma medida polêmica como o ataque à Ponte Preta.

Contraditoriamente, Greca se destacou nas eleições por mostrar mais personalidade que o apático ex-prefeito Fruet, mas sua gestão tem sido marcada  pela falta de personalidade, identidade e de projeto. Volta Curitiba… mas para onde?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]