i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Secretário da Fazenda admite erros do governo Richa na Assembleia

  • PorRogerio Galindo
  • 04/03/2015 16:35
Mauro Ricardo. Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.
Mauro Ricardo. Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.| Foto:
Mauro Ricardo. Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.

Mauro Ricardo. Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.

O relatório que o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, fez nesta quarta-feira na Assembleia Legislativa, talvez tenha sido a primeira oportunidade em que um integrante do governo Beto Richa (PSDB) admitiu em público, e em um evento oficial, que a atual gestão tem culpa parcial sobre a situação financeira do estado.

Mauro Ricardo admitiu pelo menos três problemas importantes:

1- O governo transferiu beneficiários do fundo previdenciário para o fundo financeiro do ParanáPrevidência em 2012 sem levar junto o lastro (a reserva matemática). Consequências: foi preciso parcelar uma dívida de R$ 600 milhões e o déficit do fundo financeiro, que exige repasses mensais do governo, chegou a R$ 4 bilhões em 2014.

2- O governo deu reajustes para várias categorias (segundo a conta do governo de até 60%) e isso ajudou as despesas com pessoal a subirem 80% (em valores absolutos, não corrigidos) entre 2010 e 2014, indo de R$ 10 bilhões para R$ 18 bilhões.

3- O governo trabalhou  nos últimos anos com orçamentos superestimados.

A admissão de erros é sempre um avanço. Pior é quando os governantes se recusam a perceber que estão errando e insistem em fazer o mesmo indefinidamente.

Isso não exime o governo, no entanto, de ter de responder pelas consequências que esses erros estão causando hoje para o estado. O principal deles é o aumento do custo do estado para a população – e sem que haja maiores benefícios para os cidadãos em função disso.

“O problema não está na receita, está nas despesas”, admitiu o secretário. Segundo ele, o aumento da receita será necessário simplesmente para que a diferença entre receitas e despesas volte a aumentar. Isso, em bom português, quer dizer que o governo se programou mal, gastou demais e agora está socializando o prejuízo. Dividindo com você e comigo o preço do erro que cometeu sozinho.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.