i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Caixa Zero

Ver perfil

Sindicato de professores diz que vai reagir a “projeto antidoutrinação”

  • PorRogerio Galindo
  • 21/10/2015 12:16
Sindicato de professores diz que vai reagir a “projeto antidoutrinação”
| Foto:
curitiba_greve_professores_primeiro_dia_17

Manifestação de professores grevistas no primeiro semestre.

 

A APP-Sindicato, que representa os professores da rede estadual de ensino, disse nesta quarta-feira que considera inconstitucional o projeto da “Escola sem partido”, protocolado nesta semana na Assembleia Legislativa. O sindicato afirma que vai procurar a OAB e o Ministério Público para tentar barrar a aprovação da proposta.

De acordo com seus autores, que “importaram” a ideia, apresentada neste ano em vários estados e municípios, é impedir que os professores doutrinem ideologicamente os seus alunos. Eles afirmam que a categoria estaria usando a sala de aula para “fazer a cabeça” dos estudantes. O projeto prevê a afixação de cartazes dizendo itens que os professores estariam obrigados a respeitar.

Para Marlei Fernandes, representante do sindicato, o projeto é fruto de uma “onda conservadora” e fere a liberdade de atuação dos profissionais. Além disso, segundo ela, a proposta vai contra os direitos sindicais da categoria. “Nós falamos para os alunos sobre a realidade. Não se trata de doutrinação”, diz ela.

Segundo a professora, os profissionais foram acusados erradamente de partidarizar a repressão aos manifestantes do 29 de abril. “Explicamos aos alunos o que aconteceu. Faz parte do nosso papel. Se ligamos esses fatos ao atual governo é porque foi o atual governo que os promoveu”, afirma. Segundo ela, professores que se excedem são exceção.

O autor do projeto, pastor Gilson de Souza (PSC), disse ao blog que imagina que a discussão da proposta passará pela discussão do 29 de abril, já que pode parecer que os deputados estão retaliando os professores pelas manifestações. Na ocasião, durante a votação da reforma previdenciária estadual, a polícia feriu 213 manifestantes. Os professores, na época em greve lideram as manifestações.

Marlei diz que a categoria está indignada com o projeto. “Ficamos respondendo ontem até uma da manhã.”

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.