i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Certas Palavras

Foto de perfil de Certas Palavras
Ver perfil
Barbárie

O legado nefasto do “politicamente incorreto”

  • 08/09/2020 03:49
O legado nefasto do “politicamente incorreto”
| Foto:

O discurso "politicamente incorreto" busca desvalidar instituições democráticas e educacionais, além de apostar no negacionismo do conhecimento científico e dos fatos.

O termo ganhou popularidade no início deste século em contraposição ao ‘politicamente correto’, conceito esse geralmente usado para descrever expressões, políticas ou ações que evitam ofender ou discriminar pessoas, especialmente por raça, gênero, orientação sexual ou condição sócio-econômica.

Os defensores do politicamente incorreto justificam suas ações como forma de combater o que classificam de ‘marxismo cultural’, ‘pensamento único’ e ‘patrulhamento ideológico’, comumente atribuídos aos adeptos do politicamente correto.

“O feminismo de vítima, o movimento de direitos homossexuais, as estatísticas inventadas, a história reescrita, as mentiras, as demandas, todo o resto – de onde vem? Pela primeira vez em nossa história, americanos tem que ter medo do que dizem, do que escrevem, e do que pensam. Eles têm que ter medo de usar a palavra errada, uma palavra denunciada como ofensiva ou insensível, ou racista, sexista, ou homofóbica”, escreve Bill Lind, um dos impulsionadores do politicamente incorreto no mundo e divulgador do termo marxismo cultural – classificado por seus autores como um movimento global pela construção de uma sociedade multicultural e igualitária.

Na esteira da onda do politicamente incorreto surgiram no Brasil ativistas, movimentos políticos, filmes e até série de televisão. O livro “Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil”, do jornalista Leandro Narloch, virou best-seller. Em seguida veio uma avalanche do mercado editorial com guias e manuais politicamente incorretos sobre todas as coisas. Surgiu até um “guia dos guias” do politicamente incorreto. Alguns são interessantes e têm algo a acrescentar, enquanto outros não passam de caça-níqueis.

Também fez sucesso a série de televisão Politicamente Incorreto, criada por Fabrício Bittar e pelo humorista Danilo Gentili. A série mostra a rotina de trabalho de um deputado federal no Congresso Nacional e satiriza todo o sistema político de corrupção.

Guias e manuais do politicamente incorreto
Alguns dos manuais e guias que surgiram na onda do politicamente incorreto.| Divulgação

O avanço do politicamente incorreto nas duas primeiras décadas do século 21 pode ter proporcionado importante reflexão sobre o modo como as pessoas agem no dia-a-dia e provocado questionamentos legítimos sobre o uso de determinados costumes, atitudes e procedimentos para manipulação política-ideológica.

A forma irônica, provocadora e bem-humorada, além de atitudes contrariando regras e modelos de comportamento consagrados, muitas vezes serviu para derrubar mitos e trazer novos questionamentos. Mas os resultados das práticas de muitos daqueles que aderiram às formas politicamente incorretas de agir são desastrosos.

Durante milênios a humanidade acumulou conhecimentos, valores e costumes que nos garantiram dignidade. Esse acúmulo se deu por vários meios: a família, o Estado, a religião, a cultura e as artes, a educação, a ciência, a justiça e tantos outros. Uma parte relevante desse aprendizado foi jogada no lixo pela turma do politicamente incorreto, nos levando de volta à barbárie.

O discurso de grande parte do pessoal politicamente incorreto evoluiu para o radicalismo e passou a reforçar preconceitos de toda ordem, com a banalização de atitudes que ferem a dignidade dos seres humanos.

Ofensas às pessoas por sua sexualidade, por seus gostos pessoais (seja cultural, artístico, político, ideológico, esportivo), por seus sentimentos, por suas relações afetivas ou por posições em relação à religiosidade tornaram-se comuns, sem nenhum constrangimento por parte de quem as praticam.

Em nome do politicamente incorreto passou-se a atacar o caráter íntegro, a honra, a honestidade, a retidão. O 'desvio torto' virou regra.

Uma das atitudes mais comuns dos adeptos do politicamente incorreto é agredir com palavrões e xingamentos as pessoas com as quais não concordam. A incivilidade contaminou os ambientes privados, os debates públicos, as instituições educacionais e adentrou os gabinetes governamentais, legislativos e judiciários. O respeito foi trocado por insultos, assédio e ameaças.

Conceitos fundamentais para a vida em sociedade, como polidez, atitude gentil, cortesia e civilidade, parecem não ter nenhum significado aos simpatizantes da forma incorreta politicamente de viver. No lugar do debate, do argumento, do bom senso, da busca do entendimento, entra a agressão, a grosseria, a desqualificação banal.

A palavra 'lixo' se transformou em sinônimo de tudo o que muitos dos praticantes do politicamente incorreto não concordam.

Se, de um lado, é nocivo o uso indevido de ‘conceitos corretos politicamente’ com a finalidade de coibir a liberdade de expressão, patrulhar e perseguir, de outro, o politicamente incorreto não pode se valer do embate ideológico no seio da sociedade para disseminar o discurso de ódio, a discriminação, o autoritarismo e os atentados contra a democracia.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    Saber é poder

    ± 0 minutos

    O seu texto diz que o politicamente incorreto deveria ser politicamente correto. Ou seja, é um texto muito ruim. Melhor revisar isso aí.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • .

      ...

      ± 11 horas

      "Em nome do politicamente incorreto passou-se a atacar o caráter íntegro, a honra, a honestidade, a retidão. O 'desvio torto' virou regra." - mas que baita mentirinha deslavada, heim! O movimento do politicamente incorreto só surgiu como consequência pelo uso excessivo do "politicamente correto" utilizado pelos movimentos identitários, que de honestos não tem nada e só servem p/ segregar a sociedade. Ser politicamente incorreto é apenas mostrar o quanto o excesso de frescura das pessoas deve ser desprezado e que ninguém deve ser calado por expressar o que pensa, mesmo que isso possa magoar os chorões de plantão.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.