i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Certas Palavras

Foto de perfil de Certas Palavras
Ver perfil

Rolezinho espelha divisão da sociedade brasileira

  • PorCélio Martins
  • 14/01/2014 17:04
Imagem publicada no Facebook em convocatória do "Rolezinho no Xópim Iguatemi do Lago Norte".
Imagem publicada no Facebook em convocatória do "Rolezinho no Xópim Iguatemi do Lago Norte".| Foto:

Imagem publicada no Facebook em convocatória do

Imagem publicada no Facebook em convocatória do “Rolezinho no Xópim Iguatemi do Lago Norte”.

Pedro Abramovay, professor da FGV Direito Rio e diretor para a América Latina da Open Society Foundations, escreveu hoje na Folha de S. Paulo que a decisão judicial que proíbe os rolezinhos assegura o direito à segregação. “Admitir que só algumas pessoas podem circular por lá (nos shoppings), com policiais e oficiais de Justiça analisando quem pode ou não entrar, oficializa a discriminação”, argumenta.

Como contraponto a Abramovay, o advogado e professor de direito comercial da USP Mauro Rodrigues Penteado diz que os rolezinhos atentam contra o direito privado. “Os shoppings são empreendimentos privados abertos ao público especificamente para compras, lazer, diversão, passeio”, defende.

No jornal O Estado de S. Paulo, o advogado e professor de Direto do Consumidor Renato Porto alerta que um shopping “não vai poder vetar o ir e vir”.
“Você não pode fazer triagem na porta com base em critérios ilegítimos como a cara da pessoa”, afirma o professor de Direito Constitucional da Universidade de São Paulo Virgílio Afonso da Silva.

A reação ao texto que publiquei ontem, em que defendo a tese de que os rolezinhos são atos de contestação contra a desigualdade e discriminação no país, também mostra essa divergência.
O leitor Marcus Vinicius de Andrade diz que nunca houve tanta oportunidade de emprego e estudo para o jovem. Outro leitor, que se identificou como Maurício, escreveu que os rolezinhos não passam de baderna. André Luís Fernandes Dutra tem uma visão diferente e diz concordar com a análise deste colunista.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, pediu atenção especial com os “rolezinhos” e prometeu criar mais espaços públicos aos jovens de São Paulo. Já o governador Geraldo Alckmin evitou analisar as manifestações, mas afirmou que as denúncias de violência policial contra jovens serão apuradas.

Independentemente das análises, a realidade não pode ser negada: os rolezinhos estão se espalhando. Para este final de semana estão marcadas dezenas de manifestações Brasil afora. Se há fatores negativos nesses eventos, como argumentam alguns, as mobilizações dos jovens das periferias estão trazendo ao debate uma série de questões que afetam a sociedade brasileira.
Com os rolezinhos ampliou-se a discussão sobre desigualdade e exclusão social, discriminação racial, falta de investimentos em lazer e cultura para as populações de baixa renda, liberdade de expressão, direito de ir e vir, além de trazer à tona o dilema entre espaços públicos e privados.

Os rolezinhos vão muito além dos passeios e protestos dos jovens de famílias de trabalhadores nos paraísos do consumo da classe média.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.