i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Conexão Brasília

Foto de perfil de Conexão Brasília
Ver perfil

Esquerda perde a 5ª seguida na América do Sul. O que essa goleada diz sobre o Brasil

  • PorAndré Gonçalves
  • 18/06/2018 12:32
Chávez, Evo Morales, Lula e Rafael Corrêa, em foto de 2008. Crédito: Ricardo Stuckert
Chávez, Evo Morales, Lula e Rafael Corrêa, em foto de 2008. Crédito: Ricardo Stuckert| Foto:

Políticos de direita acabam de ganhar a quinta eleição presidencial seguida na América do Sul. Desde 2015, somam-se vitórias na Argentina (Mauricio Macri), Peru (Pedro Pablo Kuczynski, que caiu por corrupção e foi substituído por outro direitista, Martín Vizcarra), Chile (Sebastián Piñera), Paraguai (Mario Abdo Benítez) e, neste domingo (17), Colômbia (Ivan Duque). Ah, no meio dessas disputas, Nicolás Maduro foi “eleito” para mais seis anos de mandato na Venezuela, mas como sabemos não foi exatamente uma “eleição”.

Uma análise óbvia indica a fadiga do modelo de esquerda bolivariana que imperou no continente ao longo da década passada. Ele ainda suspira na Bolívia, onde Evo Morales foi recentemente autorizado pelo Congresso a disputar mais uma reeleição em 2019. E capitulou fora das urnas no Equador, onde Lenín Moreno (nome simbólico, não?) rompeu com o “mentor” Rafael Corrêa, e no Brasil, com a queda do PT e ascensão de Michel Temer.

Falando em Brasil, o que a surra recente levada pelas esquerdas sul-americanas terá de efeito na eleição presidencial de outubro? Não é uma resposta simples. Tradicionalmente, política externa não passa nem perto dos principais fatores de decisão do eleitorado brasileiro.

Pode anotar aí: economia, desigualdade e segurança pública serão assuntos infinitamente mais decisivos nos debates que diplomacia internacional (no geral, bolso pesa mais que pose). Mas há um aspecto lateral que, se não fere de morte, ajuda a queimar o filme da esquerda: a ideia de que existe um “Eixo do Mal” que quer tomar o continente e quiçá o mundo.

A materialização disso é o Foro de São Paulo, uma conferência de partidos e organizações de esquerda em funcionamento desde 1990. Jair Bolsonaro captou a mensagem que paira no ar. Ele comemorou a eleição de Iván Duque na Colômbia dizendo que a “máfia bolivariana” precisa ser combatida.

A ideia em torno do foro, porém, é só um biombo para o verdadeiro risco que é a cultura de populismo das lideranças políticas sul-americanas. Classifique-se esse fenômeno como toda corrente que leva “ismo” no final: kirchnerismo, lulismo, chavismo. Mas populismo não é monopólio da esquerda – basta checar a face oculta do uribismo que colaborou decisivamente para o resultado colombiano.

Nomes como Bolsonaro captaram a carga tóxica da esquerda bolivariana e vão usá-la exaustivamente porque a onda vermelha virou – o que não quer dizer que o eleitorado tenha dispensado o discurso populista. Se continuar jogando suas fichas pelas regras do jogo da década passada, os esquerdistas latinos vão continuar apanhando a cada nova eleição. O próximo embate é no Brasil e, por aqui, a insistência em um candidato que nem poderá concorrer só prenuncia a lavada que vem pela frente.

***
Curta a página do Conexão Brasília no Facebook!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.