Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Fundão eleitoral gordo é tudo que o Brasil não precisa, especialmente em tempos de vacas magras. Mas o relator da proposta de triplicar o chamado fundão que alimenta o caixa dos partidos, deputado Juscelino Filho (DEM-MA), conseguiu a façanha de fazer passar essa aberração no meio do projeto de lei de diretrizes orçamentárias para 2022 (PLDO).

>> NOVIDADE: faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram.

Tão grave quanto isso foram as manobras do PT e de partidos aliados para fazer parecer que o fundão de 6 bi só foi aprovado graças à base governista, o que não só é mais uma das narrativas criadas pela oposição para confundir o país, como é mentira.

Na mesma noite da aprovação da LDO, vários deputados que apoiam o governo vieram a público desmentir a notícia e explicar que votaram a favor do orçamento, sim, porque isso é crucial para o governo e para o país, mas foram contra o aumento proposto para o fundão. Manobras da oposição é que impediram que a votação nominal aparecesse.

Que estratégia foi essa do deputado maranhense de embutir um "jabuti" numa lei tão importante e urgente? E como se deu a trama do PT nessa questão? Quem, afinal, lucra com os bilhões a mais para o fundo eleitoral? E quem é, de verdade, a favor e contra a proposta?

Mais do que isso: onde está a mentira na narrativa que a esquerda fez questão de espalhar nas redes sociais e na imprensa? E o que deve acontecer se o presidente vetar ou sancionar a LDO exatamente como está? Como fica a base do presidente no Congresso em caso de veto e em caso de sanção? E as contas públicas?

Fundão eleitoral e manobras do PT e demais partidos de oposição para tumultuar o debate, desgastar o governo e impedir o avanço do país são os temas centrais do programa desta segunda (19), que terá transmissão ao vivo na Gazeta do Povo a partir de 19h.

Hora do Strike chega ao terceiro episódio

Com a edição desta segunda (19) o programa Hora do Strike chega ao terceiro episódio desta temporada de três meses em que influenciadores digitais conservadores são convidados a interagir comigo para trazer novas visões da política para os assinantes, leitores e seguidores da Gazeta do Povo.

O programa tem dois comentaristas fixos, Kim Paim e Gustavo Gayer, e um time rotativo, que se reveza a cada semana. Alguns deles voltarão outras vezes ainda na primeira temporada, que vai até o fim de setembro.

O programa de estreia contou com a participação do jornalista Luís Ernesto Lacombe, discutindo falsas narrativas, vandalismo nas manifestações da esquerda e a suposta chantagem de autoridades por alguém de codinome "Daniel", notícia divulgada pelo presidente da República sem maiores detalhes.

No segundo episódio o jornalista Paulo Figueiredo juntou-se à equipe de comentaristas para debater voto impresso auditável, cubanos contra a ditadura e a indicação de André Mendonça para o STF.

Neste terceiro episódio o comentarista que ocupa a quarta janela do programa é Leandro Ruschel, empresário e economista acostumado a fazer análises políticas no YouTube e nas redes sociais.

Fundão eleitoral e outros temas sensíveis

O fundão eleitoral é apenas um dos temas importantes, mas sensíveis, que costumam ser mal divulgados e contaminados por falsas narrativas. E que, justamente por isso, mais confundem do que esclarecem a população, ainda que estejam diretamente ligados à vida de todos nós.

O programa Hora do Strike foi concebido para dar vazão à discussão desses assuntos, cujo debate vem sendo interditado pelos patrulheiros de plantão e por milícias digitais nesses tempos de censura, especialmente nas redes sociais e YouTube.

Agradecemos a você, assinante, porque é a sua assinatura que permite a realização de programas como este, trazendo novas visões sobre os momentos turbulentos que o Brasil e o mundo enfrentam e, assim, permitindo mais debate e reflexões numa época em que a liberdade de expressão vem sendo tão ameaçada.

Lembramos que este é um programa experimental. Hora do Strike será exibido às segundas-feiras, às 19h, durante três meses. A primeira temporada foi garantida pelos 64 mil assinantes atuais. Se atingirmos a marca de 75 mil assinanturas até setembro teremos a garantia de uma nova temporada. Saiba como ajudar clicando aqui.

46 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]