i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Cristina Graeml

Foto de perfil de Cristina Graeml
Ver perfil

"A meta de uma discussão ou debate não deveria ser a vitória, mas o progresso". Joseph Joubert.

Convicção Gazeta do Povo

Legado da quarentena: o resgate do valor da família

  • 25/03/2020 13:12

O assunto epidemia, que depois virou pandemia, passou incólume por esta coluna durante três semanas. Eu vinha evitando o tema para dar um respiro ao leitor, já tão bombardeado pelas informações sobre coronavírus. Mas a experiência inédita de uma quarentena sendo vivida por quase toda a humanidade ao mesmo tempo é motivo forte o suficiente para eu me render.

Como há oito dias escrevo de casa e agora começo a também gravar vídeos aqui, achei oportuno dividir com leitores e espectadores uma das muitas percepções que o isolamento social me trouxe. Direciono meu foco para um único aspecto, apenas um entre tantos outros que mereceriam análise. É algo que andava meio esquecido, pouco comentado em textos, vídeos e até nas nossas conversas do dia a dia e que estamos agora reencontrando dentro de nossas casas em função do isolamento social.

O valor da família

A estratégia de ficarmos todos em casa como forma de atrasar o contágio, que é inevitável, e assim não sobrecarregar os hospitais, pode não ter ficado clara ainda como a melhor das medidas, mas fez efeito imediato na saúde das relações humanas no núcleo mais íntimo.

Com exceção daquelas famílias já desestruturadas pela violência doméstica e pelo desrespeito, algo que, infelizmente, acentua-se em situações de confinamento; os casais, pais e filhos, e os irmãos estão diante de uma chance única de redescobrir o prazer de estar juntos e a sós. É a oportunidade de estreitar laços que andavam meio frouxos, ofuscados pelas distrações e ocupações da agitada rotina fora de casa e do contato virtual quase obsessivo com gente que vive além das quatro paredes do lar.

O que me inspirou a gravar esse vídeo foi a foto que um ex- colega do curso de Jornalismo da UFPR, que hoje mora no Rio de Janeiro, postou no grupo de WhatsApp da turma. O registro mostra ele, a esposa e o casal de filhos em volta de uma mesa com um bolo. Era o aniversário da filha. No bolo, junto das velinhas, eles espetaram palitos colados a fotos de parentes e amigos que não podiam estar presentes. O casal teve o capricho de colocar na mesa alguns enfeites de festa e um arranjo de flores. Tudo simples e repleto de carinho.

Junto com a foto esse amigo enviou uma mensagem.

"Os 11 anos da minha filha foram comemorados com um festão para 4 pessoas presenciais e pro resto da família através de um Live no Facebook. Sobrou bolo, mas ela ficou muito feliz com tudo. Vida que segue."

E aí eu lembrei que dois dias antes uma amiga querida tinha feito aniversário e, no grupo dos amigos, em vez de mandar os parabéns por escrito e alguns emojis, como tantas vezes temos feito nos últimos anos, escrevi que era dia de ligar para a Lena. Tenho, aliás, resgatado o hábito de telefonar para as pessoas em vez de apenas mandar mensagem, algo que recomendo para aplacar a sensação de isolamento. E é outro efeito positivo na saúde das relações humanas.

Com o telefonema não apenas proporcionei alegria como fui presenteada com a notícia de que haveria festa por lá! Ela estava arrumando a mesa do bolo para celebrar o aniversário. Presencialmente estariam apenas o marido e o filho; mas irmã, cunhado e sobrinho participaram dos parabéns de outro bairro em Curitiba através de uma videochamada.

Na minha própria família houve algo parecido. Minha cunhada espanhola celebrou aniversário em Madri confinada em casa com o marido (meu irmão) e minhas três sobrinhas. Não participamos virtualmente da festa, porque aqui ainda não tinha começado a quarentena. Estávamos no trabalho na hora da festa e a diferença de fusos horários não permitiu.

Lá, porém, eles cantaram parabéns com pai, mãe, irmã, cunhado e sobrinhos conectados. Foi preciso dois celulares para que todos participassem da videochamada e cantassem "Feliz Cumpleaños" (veja vídeo abaixo).

E o mais divertido é que as meninas juntaram todas as velas que acharam na casa para, numa montagem aritmética, chegar à idade da mãe.

Outra amiga compartilhou foto de momento semelhante, tirada pelo marido. Ela mora nos EUA e tinha levado o pai, bastante idoso, para passar uns tempos lá muito antes de saber que uma pandemia estava a caminho e que os idosos precisariam de isolamento extremo. Por sorte conseguiu que o pai não estivesse sozinho, mas com ela, a filha, e os dois netos no dia em que completou 90 anos! Ao redor da mesa com bolo, brigadeiros e alguns enfeites, estavam presencialmente quatro pessoas de três gerações. Mas a pequena celebração foi acompanhada online por parentes em outro ponto dos EUA e aqui no Brasil. Inesquecível!

  • 70 anos de Ivone Bachiega comemorados por videoconferência com as filhas
  • Improviso com velas antigas garante celebração de 43 anos de Ana Gisbert
  • Romulo Camargo comemora 90 anos em casa, com a filha e netos

Meu comentário em vídeo, publicado no topo desta página, já estava gravado quando a foto dos EUA chegou para mim. E também quando outra amiga postou no Instagram um print da tela do celualr no dia em que ela, que estava com a filha em Chapecó (SC) se encontrou virtualmente com a mãe, em Penápolis (SP) e a irmã, em Santos. A emoção do momento foi descrita na postagem.

"Esperei e preparei tanto a homenagem aos 70 anos da minha mãe. Não seria um coronavírus que iria abalar o dia. Teve brinde virtual, teve banda da neta, genro tocando gaita, enfim, uma bagunça virtual das boas. Viva essa vida bem vivida minha mãe!"

Convicções reforçadas em tempos de quarentena

Tantos "festões" para pequenos núcleos familiares, mas sem esquecer de mostrar aos demais parentes que eles também são importantes, me fizeram recordar de uma das convicções da Gazeta do Povo, que também defendo: o valor da família. Copio abaixo trecho do que está na página das convicções do jornal, que você pode acessar na íntegra aqui.

"Cada pessoa é merecedora de um grande respeito apenas pelo fato de ser humana; mas em quantos lugares essa verdade é efetivamente colocada em prática? Não muitos, a julgar pela observação cotidiana. Mas existe, sim, um ambiente em que cada um é querido pelo que ele é, independentemente de sua utilidade ou de seus atributos. Esse ambiente é a família.”

E o texto segue: “O homem é um ser em formação; não vem pronto. E, ao mesmo tempo, é um ser social. Seu desenvolvimento exige a contribuição dos demais, e a principal estrutura básica de apoio é a unidade familiar, na qual cada um encontra o espaço adequado para seu aprimoramento. "

Para além das festas

O que eu percebi neste início de quarentena (e essa é uma percepção geral, não o que está acontecendo, necessariamente, em todas as casas) é que as pessoas rapidamente precisaram se organizaram nos horários e tarefas dentro de casa.

Foi preciso adaptar espaços para abrigar estações de trabalho, organizar cantos de estudo e de brincadeiras. Maridos e esposas, se não o faziam, finalmente dividiram as tarefas domésticas e também o atendimento aos filhos. As crianças estão sendo envolvidas em tudo e também tendo que dar sua cota de sacrifício em nome da preservação das boas relações com irmãos e pais.

Conciliar trabalho com a limpeza dos ambientes, o preparo das refeições, o atendimento aos filhos, é desafiador para os adultos. Estamos exercitando o ato de nos posicionarmos de maneira firme para que os filhos mantenham alguma rotina de estudo e leituras; que brinquem, ouçam música, assistam a desenhos e filmes, mas também arrumem as camas e ajudem a lavar a louça.

Para eles é a oportunidade de reconhecerem nos pais a autoridade, mas também a fonte primordial de amor, carinho e apoio. Por outro lado, aprender a lidar com a tentação de fazerem só o que gostam, tendo que aturar irmãos menores muito agitados, ou maiores que se acham donos do pedaço, é também uma chance de se aprimorar e avançar no processo de formação de caráter.

O confinamento em casa têm sido um enorme desafio para a maioria de nós, mas tem sido também uma grande oportunidade de darmos valor à família, reforçarmos nossos laços, discutirmos nossas diferenças e estabelecermos regras de convivência harmoniosa.

É ou não é um momento quase mágico se olharmos por esse aspecto? Mesmo quem mora sozinho está passando por um processo de introspeção e também de contato maior, ainda que virtual, com as pessoas que mais ama e que estão longe: pais, filhos, irmãos, cunhados, sobrinhos, tios, primos, avós. O núcleo familiar volta a ser olhado com atenção.

Pode observar o que aconteceu com você na última semana: tenho certeza que você contactou alguém que, na correria do dia a dia, estava sendo deixado para trás. Relações estão sendo resgatadas, boas lembranças estão vindo à tona, há carinho e atenção sendo compartilhados. Coisas maravilhosas estão acontecendo.

Num editorial recente, publicado na segunda-feira (23) com o título “Em casa sim, sozinhos nunca”, a Gazeta do Povo reforçou esse pensamento aproveitando a experiência que estamos tendo na quarentena com o nosso núcleo familiar mais próximo. Trago aqui o parágrafo final, para também encerrar a coluna de hoje.

"Quando a pandemia se for – porque, mais cedo ou mais tarde, ela vai passar –, que cidade, que país teremos? Que seja um mundo diferente, em que valorizemos muito mais cada momento da liberdade de estar com as pessoas queridas: aquelas com as quais dividimos o próprio teto, a rua, os interesses e afinidades. E que possamos lembrar destes dias como um tempo em que um fortíssimo sentimento de união nos ajudou a suportar o isolamento físico."

13 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 13 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Rosny Aryon Conrad

    ± 0 minutos

    Quanta amargura sr. Walker!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jose Wesley Benício Soares

    ± 2 dias

    Que belo texto! Estava me sentindo assim. Vc conseguiu por em palavras.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LUCIANE KLEIN

    ± 3 dias

    Ótimo texto, Cristina! Duro é pensar que, para muitas famílias, foi preciso como motivação para essa reaproximação, um virus. O que há de mais importante nessa vida, está debaixo do mesmo teto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fabio da silva de castilho

    ± 3 dias

    Prezada, você será sempre fantástica em seus comentários.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Cavalcantejean

    ± 3 dias

    E as famílias que perderam o emprego e não tem o que colocar na mesa para seus filhos? Não é todo mundo que pode fazer home office

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • C

      CRISTINA GRAEML

      ± 3 dias

      Jean, a proposta da coluna foi discutir um, apenas um aspecto (positivo) do que o isolamento social já produziu. Deixei isso claro no começo do vídeo e do texto. Nunca, nada do que seja retratado em artigos ou reportagens será igual em todos os lares. Mas queria deixar claro que o fato de não ter mencionado famílias em que os adultos estão sem emprego não quer dizer que isso não seja importante. Tanto é que aqui mesmo na Gazeta você encontra várias reportagens sobre medidas econômicas que o governo está tomando para remediar situações extremas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    carlos alberto chaves pessoa junior

    ± 4 dias

    Por este tipo de texto, profundo , honesto e na contramão da visão ESQUERDISTA , que eu mantenho minha assinatura . Parabéns Gazeta do Povo !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sr. Walker

    ± 4 dias

    Vai mudar nada. Daqui um ano ninguém vai nem lembrar dessa fase, claro, menos os que perderam pessoas da família ou tem alguém que sobreviveu mas com sequelas. De resto, logo vem outra crise de uma outra coisa, depois mais outra e mais outra e mais outra. Pandemia do corona vírus já estará longe das nossas lembranças.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • C

      CRISTINA GRAEML

      ± 3 dias

      Discordo de você. Não ouso afirmar o que teremos em nossas lembranças no futuro, mas te garanto que para quem participou da festa de 90 anos do Seu Romulo ou da de 70 da Dona Ivone (e outros tantos que conseguem enxergar o que eu vejo) a quarentena está mais leve e justamente porque agora, no presente, há um esforço para se construir boas memórias desse período angustiante e triste da história da humanidade.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paula Simoni Coelho

    ± 4 dias

    Lindo o texto. Só espero que todo este amor perdure na crise econômica pós isolamento social.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • C

      CRISTINA GRAEML

      ± 3 dias

      Não é uma questão de esperar, é de praticar o amor e a valorização do outro. Não ignoro a probabilidade de que o mundo todo enfrentará semanas, meses e anos difíceis em função da pandemia e da recessão pós-quarentena (dure ela quanto tempo durar). Mas não fecho os olhos para as pequenas "grandes mudanças" que estão acontecendo dentro das casas, nas famílias. Acho que nosso olhar e ânimo também ajudam a definir o que acontecerá depois.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Bruno Varotto

    ± 4 dias

    Lindo texto. Adoro artigos que nos fazem pensar enquanto lemos. Sempre estudei com a minha enteada ( 17 anos ) mas fazia muito tempo que nossos horários não batiam . Ontém passamos a tarde estudando juntos e hoje estamos caminhando no mesmo rumo. Temos de refletir após essa epidemia . Refletir sobre o mundo que queremos e sobre a vida que devemos levar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • C

      CRISTINA GRAEML

      ± 3 dias

      Lindo comentário, Bruno. Você entendeu o espírito da coisa. Acredito que sempre valorizou a família, por isso não trocaria a oportunidade inesperada de se aproximar ainda mais das pessoas com quem divide o teto e a vida para ficar num canto resmungando que o futuro pode ser cinzento. Teu relato é mais um a confirmar que as pessoas estão sim redescobrindo o valor da família (o que não quer dizer que não valorizassem antes, apenas estavam sem tempo e um pouco desatentas a isso).

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.