Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
A história de sempre, de Potemkin ao Putin
| Foto: Divulgação | Imagem: Maryane Vioto Silva

“Quem parte e reparte, fica com a melhor parte.” Catarina, a Grande, imperatriz da Rússia, ditou essa frase ao conhecer pessoalmente a Crimeia, tomada das mãos dos turcos para estender o alcance marítimo do Império Russo. “A aquisição da Crimeia não nos fará mais fortes nem mais ricos, mas vai assegurar a paz” – disse, ao anunciar em 1783 a nova conquista.

Depois de mandar o amante Grigori Alexandrovich Potemkin tomar posse da Crimeia (Stanislaus Poniatowski, outro amante, Catarina tornou rei da Polônia), a imperatriz fez uma viagem extraordinária, jamais empreendida por um monarca. Uma viagem que virou lenda. Na primavera de 1778, partiu de Moscou e desceu o rio Dniepre, embarcando em Kiev, até chegar à costa da Crimeia, no Mar Negro. Por mais de seis meses e mais de 600 quilômetros, com 58 anos Catarina viajou por terra e água, de trenó, de galera fluvial e carruagem e confirmou o futuro daquela vasta região, hoje um disputado pomar no quintal da Ucrânia. Desde o ano dessa viagem até a invasão alemã, em 1941, e a independência da Ucrânia em 1991, essas terras nunca saíram das mãos russas.

Durante nove anos, Gregório Potemkin (“O Encouraçado Potemkin”, navio de guerra com seu nome, é um clássico do cinema dirigido por Sergei Eisenstein) trabalhou para transformar aquela parte do sul da Rússia numa área próspera do Império. Orgulhoso de suas realizações, o amante, conselheiro, comandante em chefe, governador e vice-rei de metade do Império, criador de novas cidades, portos, palácios, exércitos, frotas marinhas e, é bem provável, marido de Catarina, insistiu para que a imperatriz  visse com os próprios olhos as obras de colonização da Crimeia, que por toda a Europa espalhavam ser um enorme engodo: “Diziam que as prósperas cidades visitadas por Catarina eram feitas de papelão pintado e os alegres habitantes eram servos vestidos como cidadãos, que iam de vila em vila aplaudindo a passagem da imperatriz. Essas acusações geraram o mito das `Cidades Potemkin´, uma colonização supostamente inventada por Potemkin ao longo do rio Dniepre, para enganar Catarina e seus convidados quanto ao verdadeiro estado dos territórios do sul”. (Catarina, a Grande - Retrato de uma mulher”, do escritor Robert K. Massie – Editora Rocco – 300 páginas).

A expressão “Cidade Potemkin” passou a ter significado de logro, ou algo fraudulento, construído ou falado para esconder uma verdade desagradável. Tornou-se um clichê da linguagem russa.

É a história de sempre. Entre Putin e Potemkin, muitas águas rolaram pelo rio Dniepre, até chegar à costa sul do Mar Negro – uma luxuriante região, parecida com a Riviera francesa, de temperatura amena o ano todo, com oliveiras, pomares, vinhedos, pastagens, jasmins, loureiros, lilases, glicínias, rosas e violetas, onde na primavera um turbilhão de cores e odores transforma a costa da Ucrânia e a Crimeia num enorme jardim perfumado.

É desse paraíso terrestre que os russos não querem abrir mão. É por isso que a intenção de Putin é apenas uma: fazer de Kiev, a capital da Ucrânia, uma “Cidade Potemkin”.

“The Great”, drama satírico e cômico baseado em alguns fatos históricos sobre a ascensão de Catarina, a Grande, a mulher mais poderosa da história da Rússia, pode ser visto no Amazon Prime Vídeo. São duas temporadas bem decepcionantes, para os leitores da excelente biografia de Robert K. Massie.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]