i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

De Brasília

Foto de perfil de De Brasília
Ver perfil

Manobra pró-Temer: Serraglio vira suplente na CCJ; Ricardo Barros pode reassumir mandato

  • PorCatarina Scortecci
  • 12/07/2017 15:50
Deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR). Foto: Alex Ferreira/Arquivo Câmara dos Deputados
Deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR). Foto: Alex Ferreira/Arquivo Câmara dos Deputados| Foto:

Para tentar enterrar a denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente Temer, a série de manobras articuladas por aliados do peemedebista no Congresso Nacional segue a todo vapor. Desta vez, mais dois paranaenses são utilizados na jogada, Osmar Serraglio e Ricardo Barros.

O deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR), antes titular na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, foi empurrado para uma cadeira de suplente. Assim, o peemedebista só vota na CCJ na ausência do titular.

“Sumido” dos holofotes desde o retorno à Câmara dos Deputados, há mais de um mês, Serraglio ainda não se manifestou publicamente sobre as delações da JBS e a denúncia da PGR. Especula-se apenas que a relação dele com o presidente Temer teria azedado depois da sua mal conduzida exoneração do comando do ministério da Justiça e da Segurança Pública.

Formada por 132 membros, entre titulares e suplentes, a CCJ é o primeiro colegiado a analisar a denúncia contra o presidente Temer, antes da deliberação do plenário da Câmara dos Deputados, quando daí todos os 513 parlamentares podem votar.

Já Ricardo Barros (PP-PR), deputado federal licenciado para a cadeira de ministro da Saúde, pode reassumir o mandato apenas para votar no plenário a favor do presidente Temer, e contra a denúncia da PGR. Os demais ministros com vaga no parlamento devem seguir o mesmo caminho.

A volta do pepista, contudo, não deve ter efeito na prática. Com o retorno de Ricardo Barros, quem sai é o suplente em exercício Nelson Padovani (PSDB-PR), que já anunciou que também votará a favor do presidente Temer.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.