i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

De Brasília

Foto de perfil de De Brasília
Ver perfil

Na CCJ, primeiro paranaense a falar ataca Janot e diz que não há provas contra Temer

  • PorCatarina Scortecci
  • 12/07/2017 17:55
Deputado federal Evandro Roman (PSD-PR). Foto: Antonio Augusto/Arquivo Câmara dos Deputados
Deputado federal Evandro Roman (PSD-PR). Foto: Antonio Augusto/Arquivo Câmara dos Deputados| Foto:

Incluído segunda-feira (10) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados pelos aliados do Planalto, o deputado federal Evandro Roman (PSD) foi o primeiro parlamentar do Paraná a se manifestar dentro da maratona de discursos no colegiado sobre a denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente Temer. Iniciou falando que teria ouvido os paranaenses. “O povo voltou a ter esperança na economia”, disse ele.

Mas, ao longo de 15 minutos, mirou especialmente a PGR. Roman argumentou que “não há materialidade” na denúncia, que o procurador-geral da República Rodrigo Janot “insiste em atuar no campo político” e que “o povo não está nas ruas” porque estaria percebendo a “armação” contra o presidente Temer.

“Não me cabe aqui condenar ou inocentar o presidente Temer. Tampouco defendo a sua impunidade. Tendo em vista que ele, no momento oportuno, irá responder por isso. O que me cabe aqui hoje é emitir um juízo político sobre a admissibilidade da acusação. E me causou estranheza a pressa, a velocidade, e a apresentação de acusação que não revela indícios suficientes de autoria do crime”, afirmou Roman.

O paranaense ainda acrescentou que os acordos de colaboração firmados por Janot “são acordos de impunidade” e chamou a delação da JBS de “absurdo espetáculo dos irmãos açougueiros”.

Durante o discurso, Roman também aproveitou para tentar se defender da má repercussão em torno das manobras na CCJ conduzidas por aliados do Planalto. Desde o início do debate sobre a denúncia contra o presidente Temer, já foram mais de 20 trocas de membros do colegiado, sempre na tentativa de garantir votos a favor do peemedebista. O nome de Evandro Roman como titular da CCJ surgiu em tal contexto.

Roman negou ter recebido “recursos indevidos ou emendas” para votar a favor do presidente Temer. “Ninguém me procurou. Isso [a inclusão na CCJ] foi uma decisão de partido. Eu vim porque já tinha declarado o meu voto”, disse ele. Sua entrada na CCJ permitiu a saída de Expedito Netto (PSD-RO), que já havia se manifestado favoravelmente à aceitação da denúncia.

DISCURSOS

Os discursos começaram pouco depois das 11 horas de hoje (12) e podem avançar pela madrugada. O primeiro a falar, também em defesa do presidente Temer, foi o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP). O parecer do deputado federal Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que recomenda o prosseguimento da denúncia contra o presidente Temer, deve ser votado até sexta-feira (14) na CCJ, logo após o término de todos os discursos. Depois, o parecer segue para a deliberação do plenário da Casa. Para ser aprovado, é necessário o aval de ao menos 342 dos 513 parlamentares.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.