i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

De Brasília

Foto de perfil de De Brasília
Ver perfil

“Se o PMDB do Paraná só der dinheiro ao Requião Filho, aí não tem como dar certo”, alfineta Sérgio Souza

  • PorCatarina Scortecci
  • 16/08/2017 11:00
Deputado estadual Requião Filho (PMDB). Foto: Pedro Oliveira/Alep
Deputado estadual Requião Filho (PMDB). Foto: Pedro Oliveira/Alep| Foto:

A favor da criação de um fundo eleitoral público para abastecer as campanhas de 2018, em discussão em Brasília, o deputado federal Sérgio Souza (PMDB-PR) faz apenas uma ressalva: ele quer regras também para a distribuição do dinheiro no âmbito dos partidos políticos. “Eu sou a favor do fundo eleitoral desde que [o dinheiro] chegue a todos aqueles que pretendem ser candidatos. Porque se for para concentrar só no dirigente do partido político, aí fica injusto. Se no PMDB do Paraná tiver dez candidatos e o Requião for dar dinheiro só para o filho dele, aí não resolve”, alfineta Sérgio Souza, durante entrevista ao blog.

Ele se refere ao atual presidente da legenda no Paraná, o senador Roberto Requião, e a polêmica em torno das campanhas do PMDB nas eleições do ano passado, quando o deputado estadual Requião Filho estava entre os concorrentes à Prefeitura de Curitiba e se beneficiou com quase a totalidade dos recursos da sigla.

O chamado Fundo Especial de Financiamento da Democracia, que contaria com mais de R$ 3,5 bilhões do orçamento da União para as siglas distribuírem entre seus candidatos, ainda precisa ser aprovado no plenário da Câmara dos Deputados para entrar em vigor nas eleições de 2018. “A sociedade precisa saber que o financiamento das campanhas eleitorais já é público. O governo federal já paga Fundo Partidário, já paga tempo de TV para os partidos”, defende Sérgio Souza, que integra a comissão especial da reforma política na Câmara dos Deputados.

Para o paranaense, o melhor modelo era o anterior, com a possibilidade de doação de empresas. Agora, com o veto ao financiamento privado, a criação de um fundo eleitoral seria a única alternativa. “O que nos sobra hoje? Doação de pessoa física. Mas o cidadão não vai doar. Não existe isso. Nunca existiu. Então aquele que tem muito dinheiro vai bancar a sua própria campanha. Aquele que tem uma exposição midiática, aquele que já está no mandato, todos esses terão vantagens numa eleição sem financiamento público. O cidadão comum jamais vai conseguir chegar ao poder”, argumenta ele.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.