i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

De Brasília

Foto de perfil de De Brasília
Ver perfil

Suplente tucano evita “exoneração temporária” de Ricardo Barros

  • PorCatarina Scortecci
  • 21/10/2017 13:54
Ministro da Saúde e deputado federal licenciado pelo PP do Paraná, Ricardo Barros. Foto: Lucio Bernardo Junior/Arquivo Câmara dos Deputados
Ministro da Saúde e deputado federal licenciado pelo PP do Paraná, Ricardo Barros. Foto: Lucio Bernardo Junior/Arquivo Câmara dos Deputados| Foto:

Deputado federal licenciado pelo PP do Paraná, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, escapou da lista de políticos exonerados “temporariamente” da Esplanada dos Ministérios, apenas para que retornem seus mandatos na Câmara dos Deputados, expulsem seus suplentes, e se posicionem a favor do presidente Temer na votação sobre o prosseguimento ou não da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o peemedebista, marcada para quarta-feira (25) no plenário da Casa.

Na conta do Planalto, dez políticos até então licenciados dos seus mandatos na Câmara dos Deputados podem engordar o placar pró-Temer: o ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS-PE); o ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE); o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy (PSDB-BA); o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE); o ministro do Turismo, Marx Beltrão (PMDB-AL); o ministro do Esporte, Leonardo Picciani (PMDB-RJ); o ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE); o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV-MA); o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB-RS); e o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella (PR-AL).

Ao retornarem para o Legislativo, todos os dez políticos expulsariam suplentes que já demonstraram disposição para votar contra o presidente Temer, ou seja, a favor do prosseguimento da denúncia da PGR.

Manobra semelhante já foi feita pelo Planalto em agosto, na votação da primeira denúncia da PGR contra o presidente Temer. Mas, tanto naquela ocasião quanto agora, o paranaense Ricardo Barros não precisou se afastar das suas funções na pasta da Saúde. Como ele próprio já reconheceu, seu suplente na Câmara dos Deputados, o tucano Nelson Padovani, não traria risco algum para o Planalto. “O presidente Temer está fazendo as reformas, a economia está se recuperando. Precisamos mantê-lo até o último dia do mandato dele”, justificou Padovani à Gazeta do Povo, quando entrevistado sobre qual seria sua posição em relação à primeira denúncia da PGR.

Em 2014, Padovani e Barros disputaram uma cadeira na Câmara dos Deputados pela coligação com o maior número de partidos políticos: PSDB, DEM, PR, PSC, PTdoB, PP, SD, PSD e PPS. Hoje, nem todos os integrantes da coligação de outrora estão afinados com o Planalto. Os paranaenses Rubens Bueno (PPS), Fernando Francischini (SD) e Sandro Alex (PSD), por exemplo, devem novamente votar contra o presidente Temer na quarta-feira.

Leia mais:

“Janot não bate bem da cabeça”, diz ministro da Saúde.

Três paranaenses ajudaram Temer na CCJ, incluindo Serraglio.

Bancada do Paraná deve “repetir” votos na segunda denúncia contra Temer.

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.