Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Governo medieval
| Foto: Alan E / Flickr - (creative commons)

Maio de 2016. O deputado federal Jair Messias imerge nas águas do Rio Jordão em busca da salvação e de um afluente que lhe desembocasse no leito do Palácio do Planalto. No Brasil, fervia a votação do Senado acerca do impeachment de Dilma Rousseff. A ausência de Bolsonaro em momentos relevantes da república não é novidade, como se sabe. Noutra semana, a mando dele, uma comitiva esteve em Israel a fim de conhecer um remédio que parecer ser milagroso, nas palavras do presidente. Desta vez, ninguém foi batizado pelo Pastor Everaldo, pois o líder do PSC está preso em um compromisso no Complexo de Gericinó.


A comitiva contou com grandes especialistas da área médica e cientistas como Ernesto Araújo, Filipe Martins, Fábio Wajngarten e Eduardo Bolsonaro. É a receita do sucesso. Os pesquisadores israelenses sequer concluíram a primeira fase de testes do spray nasal. Depois, vêm as fases dois e três. Essas coisas levam tempo, neste caso, meses até que o produto seja minimamente seguro, por conta da urgência necessária face à pandemia. Até agora, não é possível afirmar se o medicamento funcionará ou não. O que funciona com certeza é vacina, como pode comprovar Israel. Mas e as vacinas?


Bolsonaro não quis saber delas. Ou melhor: ele quis saber somente em dois momentos. O primeiro, quando um outrora parceiro, atual adversário político, para não falar inimigo de sangue, poderia sacar dividendos eleitorais da imunização.

Bolsonaro rejeitou a solução oferecida pelos chineses, não por preocupação clínica, mas porque é um homem preconceituoso, sem visão e sem pudor. Fez troça do produto ao vivo e para o país todo assistir. Liberou filhos e ministros para ofenderem nosso principal parceiro comercial e detentor dos insumos para produção do imunizante. Só uma coisa o fez mudar de postura e não foram os mortos, os doentes, o transtorno generalizado na vida das pessoas. Nada disso.

Bolsonaro admitiu a Coronavac somente porque, do contrário, poderia perder mais capital político para João Dória. O segundo, no momento em que Fachin facilitou a vida de Lula. No dia seguinte, o presidente finalmente tomou vergonha e colocou a máscara, além de assassinar a reputação do Zé Gotinha ao espalhar por aí imagem do pobre personagem a empunhar uma seringa em forma de metralhadora, com os dizeres “A nossa arma é a vacina”. É a estética que revela uma ética.


Antes disso, em agosto passado, o governo rechaçou acordo com a Pfizer. O mundo inteiro fez, menos nós. Preferiu abraçar a alquimia, receitar cloroquina até para as emas palacianas e esculhambar todos aqueles que poderiam nos auxiliar. Haveria ali alguma estratégia do xadrez 4D bolsonarista? Em verdade, como as evidências mostraram, tratava-se apenas de Bolsonaro a fazer aquilo em que é melhor: confusão. Poderíamos ter iniciado entre novembro e dezembro a vacinação.

Milhares de vidas seriam poupadas, a retomada econômica estaria em curso, os preços voltariam à normalidade e, enfim, começaríamos a nos concentrar em pautas importantes para reformar o estamento.


Hoje, o cenário é de gestores e mandatários sem confiança no governo federal. A Frente Nacional de Prefeitos montou consórcio, que já conta com quase duas mil cidades, com população estimada em 130 milhões de brasileiros, para adquirir vacinas. Em paralelo, e com meses de atraso, o governo luta junto às farmacêuticas para obter exclusividade na compra. A impressão é a de que, além de não haver disposição para resolver o problema, há uma vontade anormal de atrapalhar quem quer fazê-lo.


Já estamos no patamar de duas mil mortes diárias e os números tendem a piorar, pois os hospitais estão lotados e, além de estrutura, faltam profissionais de saúde para dar conta da demanda. Sabíamos que não seria fácil, mas nosso governo medieval tornou tudo exponencialmente mais difícil.

79 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]