i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Eduardo Ribeiro

Foto de perfil de Eduardo Ribeiro
Ver perfil
Análise

Reforma Administrativa: é preciso coragem

Defender a maioria silenciosa, e não grupos de interesse, deve ser o dever de todo político

  • Eduardo RibeiroPor Eduardo Ribeiro
  • 08/09/2020 18:21
Esplanada dos Ministérios
Esplanada dos Ministérios| Foto: Marcello Casal Jr/Agencia Brasil

Com praticamente um ano de atraso, a Reforma Administrativa chega ao Congresso Nacional. E apesar do momento econômico em que vivemos exigir mudanças urgentes, a demora em si não é o maior problema. Afinal, aguardamos ao longo de décadas por um grande projeto de reforma que corrija as grandes distorções na estrutura do Estado brasileiro, inchado, caro, ineficiente, recheado de privilégios e incentivos errados.


O maior problema é que nada, absolutamente nada, justifica a demora além do medo da impopularidade.


Uma agenda reformista gera desgastes. Ponto. O líder de uma nação como a nossa, historicamente patrimonialista, capturada por grupos de interesse, sindicatos e grandes corporações, precisa estar convencido disso caso queira deixar um legado significativo para as próximas gerações.


É o mesmo roteiro da Reforma da Previdência, pela qual Bolsonaro fez pouco esforço e chegou até a pedir desculpas. Mas com um agravante: a Reforma Administrativa, apesar de ir na direção certa, não traz espaço para desidratação. Muito pelo contrário, sobrou para o Congresso o ônus de aumentar o rigor do texto, colocar o dedo na ferida, e incluir também os atuais servidores na maior parte das mudanças, além dos membros dos outros Poderes.


A questão é saber se o Congresso estará disposto a isso. Em ano de eleições municipais e em meio a articulações para a presidência da Câmara e do Senado, o cenário agora é muito diferente daquele vivido durante a Reforma da Previdência, e o ambiente para o corporativismo é bastante fértil.


Ao não regulamentar na PEC, por exemplo, o que são carreiras de Estado, deixando isso para uma lei complementar, abre-se um espaço gigantesco para uma pressão que vai vir de todos os lados, de todas as classes possíveis de servidores, além daquelas que são, por óbvio, carreiras de Estado. Sindicatos de médicos e professores, que trazem essa demanda há tempos, já se mobilizam junto aos seus parlamentares.


Deixar boa parte das regulamentações para projetos de lei, como as gratificações e a avaliação de desempenho, pode até agilizar a tramitação da PEC original, mas é certo que irá trazer como consequência inúmeros jabutis.


A Reforma Administrativa é a essência da valorização daqueles que tem vocação para o serviço público, e não pode ser vítima daqueles que puxam a régua pra baixo.


Novamente, o protagonismo de uma das mais importantes reformas do Estado brasileiro recairá sobre as lideranças do Congresso. A Frente Parlamentar Mista da Reforma Administrativa, presidida pelo deputado Tiago Mitraud (NOVO-MG), será uma peça fundamental no aprimoramento do texto e na articulação para a blindagem da reforma e dos projetos de lei que vem a seguir. O Congresso precisa estar comprometido com o futuro do país.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Mário Kume

    ± 0 minutos

    Antes da reforma administrativa é necessário a reforma política séria que acabe com esta imensidão de políticos e acessores, começando pela redução gigantesca desta imoralidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • L

      LABr

      ± 7 horas

      A má qualidade do nosso parlamento, o corporativismo do funcionalismo público acostumado em boa parte a privilégios inalcançáveis pelo cidadão comum além de absolutamente inexplicáveis, a leniência da imprensa e outros "formadores de opinião", não permitem uma reforma ampla, justa e mais do que necessária. Essa, me parece, é, infelizmente, a reforma possível. Por essas e outras é que defendo o fim da reeleição em qualquer nível e em quaisquer circunstâncias, inclusive para parlamentares. Tivéssemos em 1988 uma Constituinte originária, com constituintes inelegíveis por 20 anos, por exemplo, não teríamos esse mostrengo que é a nossa Constituição Cidadã do Doutor Ulisses.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        carlos

        ± 9 horas

        não será bolsonaro, estúpido e incompetente, que irá resolver os problemas que ele próprio amplifica

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • N

          Nm

          ± 9 horas

          Ou se faz uma reforma ampla geral e irrestrita, ou nada se faz. Porque mexer em alguns pontinhos não resolve o problema. Gastar 70% ou 80% do orçamento com a folha de pagamento não é coisa que se sustente por muito tempo. quebra o Estado e aumenta a carga tributária.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • J

            José

            ± 20 horas

            O colunista faz de conta que não sabe, que se Bolsonaro e o Congresso fizerem uma reforma para atingir os atuais servidores públicos, o Supremo será provocado e vai decidir pelo "direito adquirido". Se sair uma reforma para disciplinar e normatizar a carreira pública para ser ao menos similar ao trabalho privado no futuro, já será uma boa reforma.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            1 Respostas
            • A

              Anderson

              ± 10 horas

              Transforma todos os servidores públicos em CLT em paga FGTS e seguro desemprego. Isso dá similaridade ao serviço privado

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.