i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Educação e Mídia

Foto de perfil de Educação e Mídia
Ver perfil

Quando os memes na internet se tornam recurso pedagógico

  • PorEducação&Mídia
  • [19/03/2019] [09:33]
Quando os memes na internet se tornam recurso pedagógico
| Foto:

No primeiro momento pode soar estranho e desconexo da realidade escolar. Mas sim, a linguagem conhecida como “zoeira sem limites” e os memes na internet passaram a integrar as dinâmicas pedagógicas e o próprio cotidiano da sala de aula.


Sucesso entre estudantes e também professores, os memes são enunciados elaborados em forma de fotografias, vídeos, GIFs e remodelagens com o objetivo de parodiar, refletir ou mesmo debochar de situações cotidianas.


Eis a razão da enorme popularidade: ainda que o celular seja proibido, as representações, as linguagens e, sobretudo, as brincadeiras que nascem nas redes sociais acompanham as interações que alunas e alunos experimentam na sala de aula.

Os espaços educativos são permeados por mensagens, provocações e os jogos de linguagem da “zoeira”. Mesmo que fora da escola, a cultura que crianças e adolescentes estão desenvolvendo é marcada pelas comunicações rápidas e instantâneas, recheadas de linguagens híbridas e intertextuais.

Em poucos anos, os memes se tornaram — por incrível que pareça — um recurso comunicacional relevante para criar alternativas educativas. Compreender como funciona a “zoeira” e aplicá-la na sala de aula constitui um passo significativo para construir pontes e interlocuções com os alunos.

Essa análise resulta de uma constatação mais geral de que as redes sociais não são apenas uma mídia convencional ou uma “nova tecnologia”: memes, GIFs, youtubers e correntes no Whatsapp, para ficar em poucos exemplos, ocupam lugar decisivo nas formas de ser e estar no mundo, sobretudo dos jovens. As escolas, como não poderia ser diferente, reagem, cada uma ao seu modo, à essa nova realidade comunicacional.

 

Vejamos alguns exemplos:

Meme com paródia do quadro “Amor Desarmado” de Willian-Adolphe Bouguereau.
Fonte: Autor Desconhecido

 

Professores de diversas disciplinas têm se apropriado da linguagem dos memes como recurso pedagógico; no meme acima, uma lição de história sobre o Conselho Nacional do Café, órgão criado por Getúlio Vargas, para superar a crise de superprodução do café. Fonte: Museu dos memes.

 

Nos últimos anos, brincadeiras, piadas e a “zoeira” dos memes passaram a integrar o cotidiano de jovens de todo país. No Brasil, pelo menos 23 milhões de jovens interagem com as redes, mostrando que circular memes nas redes é tarefa corriqueira para milhões de jovens brasileiros.

Para pensar nos memes como recurso educativo, devemos considerar as mudanças em trânsito nas formas de comunicar. Hoje, com a infinidade de informações nas redes sociais, com a pressa e o ritmo apressado das cidades, é necessário dizer pouco e rápido. Os jovens, acostumados com a velocidade acelerada da timeline das redes sociais, com as efemeridades do Twitter, Instagram e Youtube, estão habituados com essa lógica para se relacionar entre si.

Os conteúdos escolares podem ser apropriados pelos estudantes se valendo dessa lógica: jogos de linguagem provocativos, curtos e rápidos, que geram reflexão e referência a conteúdos externos, como no meme acima sobre o Conselho Nacional do Café.

Os jovens se apropriam amplamente da linguagem para dar sentido às dinâmicas do cotidiano, para paquerar e provocar os companheiros de turma e “falsianes” (termo usado pelos alunos para descrever um colega que não se pode confiar) e, evidentemente, para praticar a zoeira. O tesouro presente na linguagem dos memes é justamente essa capacidade de acionar discursos rápidos e efêmeros, que integram o universo cultural de alunos e alunas.

 

Nem tudo é zoeira: a Educomunicação

Discutir as brincadeiras na internet exige estar atento aos riscos que circundam as redes sociais. Afinal, os memes estão inseridos no mesmo espaço de pornografia de revanche, cyberbullyng e diversas outras modalidades de crimes digitais. Ao invés de tratar as redes sociais sem a devida criticidade, devemos, enquanto educadores, buscar alternativas para problematizar os memes e as brincadeiras na internet.

O conceito de Educomunicação, trabalhado em diversas unidades de ensino no país, ajuda exatamente nesse trabalho de pensamento crítico e reflexivo sobre a inserção da mídia no cotidiano escolar. Educar para a comunicação, além de utilizar os recursos tecnológicos na sala de aula, é um passo fundamental para uma sociedade capaz de compreender as linguagens, como os memes, e construir recursos pedagógicos capazes de mobilizar afetos e transformar a realidade.

 

*Texto escrito por Douglas Calixto, jornalista, mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP. A dissertação “Memes na Internet – entrelaçamentos entre Educomunicação, cibercultura e “zoeira” de estudantes nas redes sociais” rendeu o prêmio de melhor mestrado da ECA-USP em 2017 e o prêmio de melhor mestrado do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom) em 2018. É atualmente pesquisador do MECOM (Grupo de Pesquisa Mediações Educomunicativas).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.