i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Educação no dia-a-dia

Ver perfil

Eventos: que alegria, que tristeza!

  • Pordanielmedeiros
  • 01/01/2014 00:47

Nossa vida cotidiana, de dias e tardes e iguais, é muitas vezes tão somente a lembrança trágica de que o universo inteiro é indiferente e  mal sabe da nossa existência. Daí e por causa disso inventamos eventos, marcas nesse tempo amorfo, cinza, umas pinceladas de cores para dizer para nós mesmos que alguma coisa deve existir e significar nessa sequência enorme de dias e tardes iguais. Daí vem dia disso, dia daquilo, festas e comemorações. Fora disso, é só vida. E como já disse o poeta gauche , êta vida besta!

380-200-paixao_31213

Mas como evento serve pra nos convencer que viver é uma possibilidade, daí comemoramos. E dá-lhe bolo, balão, som e fúria. Pula, pula, pula, abraça, diz que ama, que não esquece, que vai mudar. Ufa, daí o evento passa e voltamos ao nosso espaço cinza, de dias e tardes iguais.

O mesmo poeta gauche já disse que somos “homens partidos”. E nos eventos, nossos passados  soam as trombetas nos  nossos ouvidos. É o filho que ficou longe, é o pai que já nos deixou, é o irmão com quem já não se fala, são as histórias cujo fim deixou de ser escrito e que sobrevivem aos dias e às tardes. Mas aí vem os eventos… Ah, como essas datas nos lembram os fracassos de nossas escolhas, as pedras no caminhos ( poeta gauche mais uma vez), as marcas, as cicatrizes que ainda doem, e como doem.

Vivemos porque a escolha é tão somente não-viver. Por isso viver não é o desafio. O desafio é como sobreviver por não colher os frutos que derrubamos das árvores com nossa estabanada inexperiência e ignorância. Frutos que agora lamentamos ter desperdiçado com tanta rapidez e inconsequência.

Ufa que mais um evento vai passando. Lágrimas das distâncias já ficaram secas. É hora de continuar. Que 2014 nos seja leve.

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.